Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Parceria entre a Petrobras e Ceará será assinada hoje

A Petrobras anunciou que assinará hoje com o governo do Ceará um protocolo de entendimento para a construção de uma refinaria premium no Estado, que produzirá derivados de alta qualidade. A parceria envolverá, além da estatal e do governo estadual, a Companhia de Integração Portuária do Ceará (Cearáportos), que administra o Porto de Pecém, a Transpetro e a Companhia de Gás do Estado do Ceará (Cegás).

Agência Estado |

Após a assinatura, as partes terão 120 dias para negociar, elaborar e pactuar um termo de compromisso que crie condições jurídicas, técnicas e econômicas para o empreendimento. A expectativa inicial é que a refinaria tenha capacidade para processar 300 mil barris por dia de petróleo no Ceará.

Segundo a estatal, o empreendimento será construído na área do Porto de Pecém, localizado na cidade de São Gonçalo do Amarante, a cerca de 60 quilômetros (km)da capital, Fortaleza. Os investimentos estão orçados em US$ 11,1 bilhões, o que significará a criação de 90 mil postos de trabalho diretos e indiretos. Isso sem contar os benefícios tributários para o Estado.

A expectativa é iniciar as operações em 2014, com 150 mil barris por dia. A segunda fase acrescentará mais 150 mil barris dia a partir de setembro de 2016. A refinaria produzirá óleo diesel para exportação, querosene de aviação e bunker para o mercado interno. A produção de diesel será em torno de 50% da produção total. Tudo isso deve ser acompanhado de vários investimentos para a expansão do Porto de Pecém.

Outro evento importante da Petrobras hoje será a inauguração, com presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, do primeiro terminal de regaseificação de GNL (gás natural liquefeito) do País, também no Porto de Pecém, no Ceará. O projeto, da Petrobras, acrescentará à produção nacional (de 60 milhões m³/dia) cerca de 7 milhões de m³ de gás por dia. Isso significa 11% da oferta de gás do País, destacou a diretora da estatal, Maria da Graça Foster.

Para isso, a Petrobras adaptou a estrutura do píer 2 do Porto de Pecém, que antes funcionava como terminal de derivados de petróleo. Foram construídas duas plataformas de concreto para elevar a altura do píer em três metros. Além disso, foi construído um gasoduto de 22,5 km de extensão que liga o terminal à malha de transporte de gás já existente. Um trecho desse gasoduto, de 2,5 km, é aéreo, instalado na ponte de acesso ao píer.

Segundo ela, a entrada em operação desse terminal é extremamente importante para o Nordeste, já que permitirá acionar pelo menos três térmicas a gás que hoje estão paradas por falta de combustível: Termoceará, Termofortaleza e Termoaçu. A executiva afirmou, porém, que a inauguração da planta não significará a independência do País do gás boliviano. "Jamais o Brasil vai prescindir do gás boliviano, pelo menos nos próximos 20 anos. A não ser que haja uma descoberta muito grande. Mas não há sinais disso."

Graça Forster afirmou que a Petrobras estuda a possibilidade de construir um terceiro terminal de regaseificação, além da planta do Ceará e do Rio. "Estamos procurando com sinergia com a Região Sul."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG