Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Para Meirelles, reunião do BIS revelou alguns consensos entre BCs

SÃO PAULO - Entrando em sua fase final, a reunião bimestral do Banco Internacional de Compensações (BIS, na sigla em inglês) já revelou ao menos três consensos entre os bancos centrais (BCs) participantes. As autoridade monetárias concordam sobre a possibilidade de recessão nos países desenvolvidos em 2009 e em relação à necessidade de uma regulação mais eficiente em operações financeiras internacionais, mas também admitem que a situação dos mercados já dá sinais de melhoria.

Valor Online |

Segundo o presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, a combinação entre os Produtos Internos Brutos (PIBs) dos o países desenvolvidos e dos emergentes em 2009 irá revelar uma substancial desaceleração da economia global, com emergentes crescendo menos e desenvolvidos em recessão.

Diante desse cenário, ele afirmou que o Brasil está em posição "relativamente melhor" do que alguns países por ter reservas internacionais elevadas e dívida pública em queda na relação com o PIB. O dirigente também afirmou que o governo está tomando as medidas adequadas para prover liquidez ao mercado, cuja redução foi o principal efeito da crise sobre o Brasil.

O segundo consenso entre os principais BCs do mundo é a necessidade de uma regulação mais profunda das operações financeiras internacionais, que pode passar pela fiscalização de bancos de investimentos de alguns países que hoje não controlam tais instituições.

"Todos concordam que há necessidade de se fazer, de fato, uma supervisão mais rigorosa, que as normas prudenciais têm que ser mais rígidas, principalmente na chamada alavancagem", disse Meirelles, referindo-se às instituições que têm operações em valores muito superiores à seu patrimônio.

Apesar disso, informou ele, os BC avaliam que a situação dos mercados já é melhor do que a fase que seguiu à quebra do banco americano Lehman Brothers, em 15 de setembro último. "No entanto, sabemos que ainda está muito longe da situação anterior (à quebra do banco)", completou.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG