BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou a realização das reuniões do G20 para debater a crise global e disse esperar que o encontro de líderes mundiais em Washington, no próximo sábado, possa sinalizar para mais regulação do sistema financeiro internacional. Segundo o presidente, as novas regras devem fazer com que o mercado deixe de ser um cassino e passe a ajudar o desenvolvimento da indústria e da agricultura.

"Ou seja: ganhar dinheiro gerando riqueza e gerando emprego, e não apenas acumulando riqueza através da especulação", disse Lula em seu programa de rádio semanal, "Café com o Presidente".

Lula, entretanto, disse saber que provavelmente o encontro não será conclusivo. "Tenho consciência de que esta reunião não vai definir tudo que nós precisamos que ela defina, mas é um início extraordinário que os políticos chefes de Estado assumam a responsabilidade de trazerem para si a discussão das soluções futuras para evitar que outras crises como essa venham a acontecer", disse.

Mesmo assim, citando o exemplo da reunião realizada nos últimos dias em São Paulo entre os ministros da Economia e presidentes dos bancos centrais do G20, Lula elogiou o fato de os líderes mundiais terem começado a discutir a crise global. Essa reunião orientará os debates de Washington.

"Acho extremamente importante e providencial que essas reuniões estejam acontecendo neste momento. Afinal de contas, nós temos uma crise mundial", destacou. "Não pode ser só a crise global, a saída também tem que ser global."

Apesar de reafirmar que o Brasil e os países do Mercosul têm melhores condições para enfrentar a crise, Lula reconheceu que a atual conjuntura econômica pode atrapalhar o crescimento das economias emergentes.

"Precisamos ter consciência de que ou os países mais ricos ajudam os países mais pobres a se desenvolver ou nós vamos enfrentar um problema muito sério de migração", alertou.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.