Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Para Krugman, alta dos juros é remédio correto contra inflação

RIO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e o economista e professor da Universidade de Princeton Paul Krugman mostraram confiança hoje na política econômica brasileira, um dia depois de o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) ter elevado a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano.

Valor Online |

Krugman concordou que as taxas de juros são altas no Brasil e disse conhecer algumas das críticas ao patamar dessas taxas, mas frisou que não sabe o que poderia ter sido feito de diferente para conter a inflação.

Mexer na taxa de juro para controlar a inflação me parece a coisa certa. Não fiz o suficiente o dever de casa para avaliar se estão fazendo isso na medida e na hora certas, mas a direção me parece correta, frisou Krugman, que participou hoje da palestra Crise Financeira Internacional e Crescimento da Economia Brasileira, na sede do BNDES, no Rio.

Coutinho ressaltou que a manutenção da inflação sob controle significa manter a confiança de longo prazo na economia brasileira.

Durante a palestra, o presidente do banco de fomento chegou a brincar com a platéia depois de uma pergunta endereçada a Krugman sobre as razões para o stop and go (períodos curtos de crescimento, seguidos por recessões ou baixo avanço do PIB) da economia nacional. Depois a gente conversa, mas não acho que dessa vez vá haver 'stop and go'. Será uma pequena desaceleração, mas passageira, afirmou.

Para o presidente do BNDES, há grandes oportunidades de investimento nas áreas de energia, logística e rodovias no país, além da alta competitividade nos setores agropecuário e de petróleo e gás. Segundo Coutinho, o grande problema da economia brasileira é o financiamento de longo prazo.

Se aumentarmos a taxa agregada de poupança e investimento, a economia brasileira poderá crescer a um produto potencial mais alto, com equilíbrio macroeconômico. O segredo, que não é segredo, é subir a taxa de investimento da economia, ressaltou Coutinho.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG