RIO - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, não acredita que a autorização para que as Forças Armadas transitem pela reserva de Raposa Serra do Sol, em Roraima, vá criar tensão com os indígenas locais. De acordo com Jobim, os habitantes da reserva têm uma relação absolutamente tranqüila em relação aos militares brasileiros, uma vez que a maior parte dos soldados em serviço na Amazônia é indígena.

"Esse discurso de que a presença das Forças Armadas dentro das reservas (representa problema) é um discurso de organizações não governamentais, não é um discurso de índio", disse Jobim, que participou de seminário sobre concessão de aeroportos organizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no Rio de Janeiro.

"Vamos separar aquilo que é discurso de indígenas, de brasileiros indígenas, que tem absoluta tranqüilidade com os brasileiros militares, por uma razão muito simples: na Amazônia, 80% do efetivo do Exército é de indígenas", acrescentou.

Jobim fez questão de frisar que conhece a questão indígena, uma vez que, durante o período em que ocupou o cargo de ministro da Justiça, no governo de Fernando Henrique Cardoso, atuou no processo de demarcação da reserva de Raposa Serra do Sol. "Entrei em todas as reservas do país", afirmou. "Índio não pensa assim."
Esta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) retomou o julgamento sobre a demarcação contínua de Raposa Serra do Sol. A questão envolve uma disputa entre indígenas e arrozeiros, uma vez que há plantações em áreas originalmente pertencentes à reserva. Todos os oito ministros que se pronunciaram votaram a favor da demarcação em faixa contínua, o que obrigaria a expulsão dos arrozeiros. O julgamento foi novamente suspenso devido a um pedido de vista do processo feito pelo ministro Marco Aurélio Mello, enquanto o placar da votação era de 8 a 0 a favor da faixa contínua.

De acordo com os votos já proferidos, a tendência é de que os índios saiam realmente vitoriosos, mas com a condição de que as Forças Armadas tenham livre acesso à reserva, que fica em área de fronteira.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.