DETROIT, EUA (Reuters) - Falências na indústria automotiva dos Estados Unidos teriam um impacto devastador na economia do país, muito maior do que a ajuda financeira que as montadoras estão pedindo, afirmou neste domingo Rick Wagoner, presidente-executivo da General Motors. Esse é um problema de toda a indústria automotiva, se ficarmos sob forte pressão, o impacto na economia dos Estados Unidos seria devastador, disse Wagoner num programa de televisão em Detroit.

Wagoner, os presidentes-executivos da Ford, da Chrysler e o presidente do sindicato dos trabalhadores da indústria automotiva, Ron Gettelfinger, devem falar no Congresso dos EUA nesta semana em apoio à ajuda para o setor.

Os democratas têm defendido empréstimos de 25 bilhões de dólares para as montadoras sediadas em Detroit. As empresas argumentam que precisam de liquidez para sobreviver, já que as vendas caíram para o menor nível em 25 anos.

Contudo, o pacote sofre a oposição de parlamentares republicanos, que questionam se as montadoras são viáveis, mesmo com a ajuda.

Para Rick Wagoner, as necessidades financeiras da GM são resultado direto da crise em Wall Street. Segundo ele, o apoio ao setor não deve ser visto como "federalizar o setor".

"O sistema financeiro não está conseguindo fornecer os créditos necessários para pequenos negócios, grandes negócios, qualquer negócio que opera no dia-a-dia", afirmou o executivo.

Segundo ele, o caminho das falência não vai ser simples. "A maioria das pessoas vai parar de comprar carros de uma empresa em falência", disse Wagoner.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.