LONDRES (Reuters) - Seria suicida cortar subitamente as medidas fiscais tomadas pelo governo para impulsionar a economia, disse no sábado o primeiro-ministro britânico Gordon Brown. O premiê, que falava sobre economia na ocasião do 80o aniversário do crash de 1929 em Wall Street, afirmou que os tempos ainda são duros, mas que a confiança começa a voltar em alguns setores da economia britânica.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237577487307&_c_=MiGComponente_C

Na sexta-feira, dados mostraram que o Produto Interno Bruto (PIB) britânico teve contração no terceiro trimestre deste ano, frustrando a expectativa por uma retomada da economia e batendo o recorde de recessão mais longa da história do país.

Brown disse que a economia voltará a crescer na virada do ano, e prometeu transformar em realidade a reforma no setor financeiro, culpado pela crise, com medidas contra os excessivos bônus pagos a executivos de bancos.

"Ainda que existam sinais de que a confiança começa a voltar em alguns setores, precisamos ser cautelosos", disse Brown em áudio disponibilizado na Internet pela página 10 Downing Street.

"Mais do que nunca, é hora de termos políticas claras e firmes... É por isso que seria suicida colocar a recuperação em risco com o corte súbito dos recursos e do investimento que está dando apoio aos jovens, às famílias e às empresas que enfrentam os tempos mais desafiadores em uma geração".

Leia mais sobre: economia britânica

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.