altamente incerta nos EUA - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Para Bernanke, inflação é altamente incerta nos EUA

Por Mark Felsenthal e Alister Bull JACKSON HOLE, Estados Unidos (Reuters) - O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse nesta sexta-feira que a recuperação do dólar e a queda do petróleo, juntas com a fraqueza econômica, devem frear a inflação, em um sinal de que a taxa de juros deve continuar no mesmo patamar. Ele alertou, porém, que as perspectivas de inflação são altamente incertas.

Reuters |

Ao mesmo tempo, Bernanke chamou a recente queda dos preços das commodities e a estabilização do dólar de 'encorajadoras'.

'Se esses acontecimentos não forem revertidos, junto com um ritmo de crescimento que deve ficar abaixo do potencial por um tempo, eles devem levar a inflação a um nível mais moderado no final deste ano e no próximo', disse Bernanke em comentários preparados em um simpósio do Federal Reserve de Kansas City, em Jackson Hole, Wyoming.

Após a fala, o dólar diminuiu a alta diante do euro na medida em que os investidores viram nos comentários de Bernanke uma prova de que o banco central está pouco inclinado a elevar o juro enquanto os mercados estiverem tensionados e o crescimento estiver travado pela crise imobiliária.

'Não haverá mudanças na política monetária em um futuro previsível', disse Kevin Flanagan, estrategista de renda fixa do Morgan Stanley em Purchase, em Nova York. 'A ênfase ainda está nos riscos econômicos e de mercado, mas ainda tentando manter uma linha adequada com a inflação também.'

Os juros futuros, atualmente, projetam 14 por cento de chance de uma elevação de 0,25 ponto percentual do juro na próxima reunião do Fed, em 16 de setembro, e 38 por cento de chance de uma elevação até o final do ano. Antes, o mercado projetava 32 por cento de chance.

O chairman do Fed disse que a atual estratégia da política monetária, com juros baixos, está condicionada à estabilização dos preços do petróleo e de outras commodities à medida que a economia global se desacelere. Para ele, isso parece estar ocorrendo.

(Reportagem adicional de Glenn Somerville e David Lawder, em Washington, John Parry, em Nova York, e Ros Krasny, em Chicago)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG