Tamanho do texto

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta segunda-feira que o Brasil deve gerar, no mínimo, 1,1 milhão de empregos em 2009. Em tom de brincadeira, ela disse que a previsão feita no início do ano pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, estava errada.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237577280633&_c_=MiGComponente_C

"Até setembro, foram gerados 952 mil empregos. Então, a informação do ministro de que seriam gerados um milhão de empregos até 2009 estava errada", disse Dilma, em uma reunião na qual participaram 22 prefeitos paulistas, entre outros políticos.

A ministra afirmou que a previsão de encerrar 2009 com a geração de mais de 1,1 milhão de empregos só foi possível porque o presidente Lula enfrentou a crise econômica "de maneira efetiva, pela primeira vez no Brasil". Entre as ações citadas pela ministra, que trouxeram a geração de postos de trabalho, estão o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o "Minha Casa, Minha Vida", que aqueceram o setor da construção civil.

Em discurso que durou quase meia hora, Dilma citou ainda os investimentos que serão feitos na camada do pré-sal e salientou que os recursos para a produção de petróleo e derivados não irão prejudicar a liderança brasileira no mercado de biocombustíveis. "Não vamos abandonar os biocombustíveis para que não percamos a liderança no mercado de etanol. Temos de disputar a lideranças da segunda etapa, que é o etanol celulose", reforçou.

Leia mais sobre empregos no Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.