O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, defendeu hoje o estabelecimento de metas de crescimento para o País. Em discurso em tom político na abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), realizada no Palácio do Itamaraty, Padilha disse que o País prescinde de uma nova agenda de desenvolvimento e que por isso é preciso superar desafios urgentes para criar um ciclo permanente de crescimento econômico.

O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, defendeu hoje o estabelecimento de metas de crescimento para o País. Em discurso em tom político na abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), realizada no Palácio do Itamaraty, Padilha disse que o País prescinde de uma nova agenda de desenvolvimento e que por isso é preciso superar desafios urgentes para criar um ciclo permanente de crescimento econômico. "A sustentação do modelo que desenvolvemos até hoje nos obriga a pensar metas de crescimento", afirmou Padilha, lembrando que em 2009, por causa dos efeitos da crise econômica mundial, a expansão da economia brasileira foi praticamente zero.

Sem citar o candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, mencionou vários temas que viraram discurso de campanha da oposição. Padilha disse que hoje "muito se fala" em unir o Brasil, mas que não há um espaço mais democrático que possa unir o País que o CDES. Ele disse que o Conselho foi construído de forma empírica, dialogando e negociando, porque não havia, no início da década, nenhuma cartilha que pudesse delinear o modelo do CDES.

O ministro afirmou, também, que para que todo mundo pudesse assumir o combate à inflação como tema central para o desenvolvimento do País, "muita gente teve de ser derrotada eleitoralmente", e que foi preciso uma crise internacional para "muita gente" assumir que a política social, a redução da pobreza e os investimentos aos mais pobres fossem central para o desenvolvimento do País.

Padilha ressaltou também que para "muita gente" assumir que o Estado é fundamental para a economia, precisou "muita gente" quase quebrar durante a crise. O ministro lembrou que o governo adotou medidas de estímulo à economia, para o enfrentamento da crise e citou como exemplo o setor da construção civil. Ele destacou o fortalecimento do mercado interno e uma política externa soberana que, segundo o ministro, ajudou o Brasil a demonstrar força, durante a crise, já que não dependia tanto dos mercados dos Estados Unidos, Europa e Japão.

Ele pediu aos conselheiros que ajudem a construir uma agenda para o País que seja de consenso entre eles. "Esse enfrentamento da crise do ano passado nos vislumbra alguns desafios que este Conselho precisa enfrentar", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.