Para resolver os problemas de todas as rodovias federais brasileiras o governo precisaria investir R$ 183,5 bilhões, segundo levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento demonstrou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) só cobre o equivalente a 13% dessa demanda.

Para resolver os problemas de todas as rodovias federais brasileiras o governo precisaria investir R$ 183,5 bilhões, segundo levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento demonstrou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) só cobre o equivalente a 13% dessa demanda. Do total necessário, R$ 144,18 bilhões devem ser direcionados a serviços de recuperação, adequação e duplicação, outros R$ 38,49 bilhões devem ser investidos na construção e na pavimentação de pistas e mais R$ 830 milhões nas chamadas "obras de arte", termo usado pelos engenheiros para designar estruturas como pontes ou viadutos. Separando pelo tipo de obra, o maior gargalo dos investimentos do PAC está na área de recuperação, adequação e duplicação. Apenas R$ 9,75 bilhões estão contidos no programa, o equivalente a 7% do que, segundo o Ipea, seria ideal. "O PAC é um avanço em relação ao que vinha sendo feito antes, mas ainda insuficiente para solucionar a situação da malha rodoviária brasileira", diz o coordenador de infraestrutura econômica do Ipea, Carlos Alvares da Silva Campos Neto. Segundo ele, essas comparações estão sendo feitas com a primeira versão do PAC e não com o chamado PAC 2. Campos ressaltou que, entre os investimentos previstos no PAC para rodovias, apenas 30% estão com o cronograma em dia. "Mas os atrasos não se dão por falta de recursos, e sim por problemas administrativos, como licenciamento, falta de projeto e paralisações pelo Tribunal de Contas da União." Segundo o estudo do Ipea, entre 1999 e 2008 os investimentos públicos federais em rodovias cresceram 290%, mas mesmo assim, em 2008 ainda eram menos de 1% do Produto Interno Bruto (PIB). Limite das Concessões. Outra conclusão do estudo do Ipea é de que o Brasil está perto de chegar ao limite no que diz respeito a novas concessões de rodovias federais para a iniciativa privada. "Não mais do que 15% da malha rodoviária federal interessa ao setor privado", disse Campos Neto. Essa estimativa refere-se aos 61 mil quilômetros de malha federal pavimentada. O pesquisador afirmou que o País não está longe de alcançar esse teto, uma vez que hoje 9% da extensão rodoviária federal já estão nas mãos de empresas. A estimativa sobre as rodovias que interessam à concessão leva em conta, principalmente, o movimento e o tráfego das rodovias, que precisam de volume suficiente para garantir a rentabilidade do concessionário. "Assim, o setor rodoviário continuará dependente de investimentos públicos." Campos Neto critica o modelo brasileiro de concessões, principalmente pelo fato de, segundo ele, não serem exigidos dos concessionários investimento na expansão da malha. "Aqui só fazemos uma transferência de ativos, sem exigir ampliação. A economia e o tráfego vão crescer e as concessões não preveem ampliação." O coordenador do Ipea também critica o que considera excesso de garantias dos concessionários que elevam o pedágio acima da inflação. Segundo ele, o ideal é assegurar um novo modelo em que os ganhos de produtividade das empresas sejam repassados aos usuários em tarifas menores, como ocorre, por exemplo, no setor de energia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.