Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ouro é investimento arriscado para pessoa física

Nos últimos três meses, o ouro ficou no topo do ranking dos investimentos mais rentáveis no Brasil, com alta de 8,97%, para R$ 74,10 o grama

AE |

Nos últimos três meses, o ouro ficou no topo do ranking dos investimentos mais rentáveis no Brasil, com alta de 8,97%, para R$ 74,10 o grama. A valorização da commodity ocorre, historicamente, quando o mundo está em momentos de crise financeira - como é o caso atual, na Europa - ou social, como em épocas de guerras. Especialistas em investimentos, no entanto, explicam que aplicar em ouro não é recomendado para pequenos investidores. "É muito técnico, arriscado e, além de tudo, não há liquidez. Não é um investimento para pessoa física", diz Natan Blanche, economista da Tendências Consultoria. Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), em cada mês do primeiro semestre desse ano, foram negociados 500 contratos, em média, de 250 gramas de ouro. A Bovespa não divulga quantos deles são de pessoa física. Mas, diante do valor do contrato - R$ 18,5 mil na sexta-feira -, é possível supor que o volume de pequenos investidores é baixo. Também há a possibilidade de comprar ouro na Bovespa pelo contrato fracionado de 10 gramas (R$ 741), que no primeiro semestre foi negociado 600 vezes por mês em média, ou de 0,225 gramas (R$ 16,7), quase 1000 contratos em cada mês. Mesmo com o volume um pouco mais expressivo, Marcos Amaral, diretor da corretora Spinelli, que opera ouro na bolsa, considera a movimentação baixa. "Portanto, não é para qualquer um. Você pode comprar hoje e não necessariamente conseguir vender amanhã", reforça. Fábio Cervone, consultor independente especializado em economia internacional, explica que o enfraquecimento desse mercado no Brasil se deu por conta da estabilização econômica do País. "Com a inflação controlada e com a criação do dólar flutuante, o investidor pode aplicar em recursos não tão reais como o ouro", explica. Amaral diz ainda que o cenário de pouca liquidez não tem perspectiva de se reverter. "Esse mercado existe de fato apenas nos Estados Unidos. Em Londres, também há liquidez, mas de maneira muito mais tímida." Para comprar. Para aqueles que, mesmo com as recomendações de não entrarem nesse investimento, decidirem adquirir alguns gramas do metal, Blanche, da Tendências, faz algumas recomendações. "O ouro só deve ser comprado por meio de corretoras autorizadas pelo Banco Central. Além disso, deve-se levar para casa somente o certificado e não a barra do metal", diz. Ele explica: "Primeiro por uma questão de segurança. Segundo porque, se você levar a barra para casa, quando você decidir vendê-la, terá de pagar caro para ter um certificado do ouro", completa.

Leia tudo sobre: ECONOMICO-ECONOMIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG