Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Oposição tailandesa vence; primeiro-ministro é banido da política

SÃO PAULO - A Corte Constitucional da Tailândia decidiu nessa terça-feira pela dissolução do partido do governo - o Partido do Poder Popular (PPP) - e pelo banimento da política do primeiro-ministro tailandês, Somchai Wongsawat. Somchai e outros líderes do PPP não podem mais participar da política do país pelos próximos cinco anos como punição por terem sido considerados culpados pelo crime de fraude eleitoral. O primeiro-ministro aceitou a resolução e avisou que assumirá um vice.

Valor Online |

Afirmou à imprensa local que fez o seu melhor.

O grupo oposicionista, composto por membros da Aliança do Povo pela Democracia (PAD, na sigla em inglês), comemorou no aeroporto internacional de Bangcoc, o Suvarnabhumi, ocupado há oito dias pelos manifestantes.

As comemorações também ocorreram no segundo aeroporto mais movimentado do país, o Don Mueang Airport, depois de uma noite conturbada. Nessa madrugada, foi lançada uma granada entre os ocupantes, provocando uma morte e deixando 23 pessoas feridas.

O PAD planeja agora fazer uma reunião para discutir sobre o fim da ocupação dos aeroportos em Bangcoc. Enquanto isso, os manifestantes se vestiram de amarelo como mostra de lealdade ao rei Bhumibol Adulyadej, que fará um discurso em dois dias e deverá aprovar um novo governo.

O grupo oposicionista já vinha protestando contra Somchai Wongsawat há meses e o acusava de ter ligação com seu cunhado, o ex-premiê Thaksin Shinawatra, deposto por um golpe em 2006, acusado de corrupção.

As exigências da Aliança envolvem reformas no sistema político do país para evitar que os partidos ligados a Thaksin continuem ganhando poder. Desde 2001, os grupos que apoiavam o ex-primeiro-ministro já venceram quatro eleições.

Essa é a segunda vez em três meses que um primeiro-ministro é obrigado a deixar o governo da Tailândia. Em agosto, o ex-premiê também simpatizante de Thaksin, Samak Sundaravej, foi obrigado a renunciar por um tribunal.

(Vanessa Dezem | Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG