Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Opep reduz previsão de aumento do consumo devido à crise financeira

Viena, 15 out (EFE).- A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reduziu hoje seus cálculos sobre o crescimento da demanda de petróleo em 2008, devido ao impacto da crise financeira e da prevista queda do consumo da commodity nos países mais desenvolvidos.

EFE |

Assim, o aumento da demanda de petróleo passou do 1,02% previsto no relatório do mês passado para o 0,6% que o cartel estimou nas informações de hoje, o que significa que o mundo consumirá este ano apenas 550 mil barris a mais que em 2007, 330 mil abaixo do que tinha sido calculado até agora.

Em seu Relatório Mensal do Mercado do Petróleo publicado hoje, a Opep prevê que a demanda mundial de petróleo será de uma média de 86,45 milhões de barris diários (mbd) em 2008.

"A tendência atual em baixa nos preços do petróleo refletem as condições dramaticamente em deterioração das últimas semanas nos mercados financeiros mundiais e seu impacto negativo na economia real, assim como o declive na demanda de petróleo", afirma o cartel, no documento.

As previsões para 2009 também foram revisadas para baixo, diante da expectativa de que um crescimento muito reduzido da economia mundial continue limitando a demanda de petróleo, que ficaria em 87,21 mbd em todo o ano que vem, 450 mil barris diários a menos que o previsto há um mês.

"Espera-se que a confusão atual dos mercados financeiros continue afetando a demanda de petróleo até o início do próximo ano", afirma a Opep, com sede em Viena, em sua análise do mercado.

Uma influência negativa é palpável, principalmente, nos países mais desenvolvidos, nos quais o consumo de petróleo cairá em relação a 2007.

Os cálculos para a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne as nações mais industrializadas, mostram uma queda da demanda de 1,81% em 2008.

Para o próximo ano, a tendência em queda continua, mas desacelerada, e fica em 0,79% a menos que em 2008.

"A queda do consumo nos Estados Unidos continuou reduzindo a demanda na OCDE em mais de 1,8% em 2008", afirmou a análise da Opep.

Além da crise financeira, acrescenta outros fatores para a queda na demanda, como os altos preços de venda ao público e as tempestades que afetaram o Golfo do México.

Ao contrário, a América Latina e o Oriente Médio precisarão de mais petróleo em 2009 e terão crescimento de consumo de 3,12% e de 4,31%, respectivamente.

Ao contrário, o gigante chinês não acusa crise financeira e elevará seu consumo em 5,85% em 2008 e em 4,96% em 2009.

Sobre o equilíbrio entre demanda e oferta, os analistas do cartel calculam que a contribuição dos países "não Opep" será de 50,70 milhões de barris diários.

Levando em conta a provisão de petróleo não convencional, esse número deixa nas mãos da Opep a responsabilidade de fornecer 31,15 milhões de barris por dia, cerca de 870 mil a menos que no atual ano.

Assim, a Opep manterá uma cota de 37,8% no fornecimento mundial de petróleo.

Em setembro, a extração conjunta dos 13 membros da Opep foi de 32,2 mb/d em média. EFE As/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG