Tamanho do texto

Uma onda de pânico tomou conta da maioria dos grandes bancos britânicos na Bolsa de Londres nesta terça-feira, entre eles o Royal Bank of Scotland (RBS), cuja ação chegou a perder durante a sessão mais de 40%.

Os três maiores bancos do país depois do HSBC, o Royal Bank of Scotland, o Lloyds TSB e o Barclays, desabaram nesta terça-feira na Bolsa de Londres.

O RBS fechou a sessão em queda de 39%, o Barclays perdeu 9% depois de chegar a afundar durante a sessão com -17%, e o Lloyds TSB caiu 13% depois de ser cotado a -23%. O HBOS, que está sendo comprado pelo Lloyds TSB, registrou a mais forte queda (-42%).

Com a queda desta terça-feira, a ação do RBS perdeu 80% de seu valor em um ano.

Diante da nova tempestade na Bolsa de Londres, o primeiro-ministro Gordon Brown organizou uma reunião de crise em Downing Street com o ministro das Finanças Alistair Darling, o governador do Banco da Inglaterra Mervyn King e o presidente da Autoridade de Serviços Financeiros Adair Turner, às 16h00 GMT (13h00 de Brasília).

As fortes quedas foram registradas depois que a BBC informou que os bancos haviam pedido na segunda-feira ao ministro das Finanças que acelerasse sua recapitalização, o que ilustra o nervosismo nos mercados.

O redator-chefe de economia da BBC, Robert Peston, disse nesta terça-feira de manhã que na segunda-feira uma reunião havia sido organizada entre Alistair Darling, Mervyn King, Adair Turner e várias autoridades bancárias.

Peston destacou que os bancos Royal Bank of Scotland, Lloyds TSB e Barclays enviaram para a reunião seus diretores gerais, Fred Goodwin, Eric Daniels e John Varley respectivamente, e que estes haviam pedido ao ministro que acelerasse o plano de recapitalização dos bancos.

Segundo a BBC, os três bancos estimaram em 15 bilhões de libras (19,4 bilhões de euros) cada um sua necessidade de capital para recuperar a confiança dos investidores.

Os bancos haviam pedido também ao Tesouro, segundo a BBC, que se comprometesse a tapar os rombos que pudessem surgir no futuro no mercado de crédito.

O Barclays divulgou um discurso de Varley nesta terça-feira, no qual assegura que o banco "não pediu capitais ao governo e não tem razão alguma para fazê-lo".

O RBS assegurou que está bem capitalizado, e depois divulgou um comunicado no qual desmente ter pedido capital ao governo.

Apenas o Lloyds TSB, que acaba de aumentar seu capital em 5% como parte da aquisição do HBOS, reconheceu que "está considerando atualmente" outras maneiras de reunir capital.

od/dm/sd