A Organização Internacional do Trabalho (OIT) prevê que a América Latina deve perder, este ano, entre 1,5 milhão e 2,4 milhões de postos de trabalho por causa da crise econômica mundial. As projeções, que levam em conta um crescimento do Produto Interno Bruno de 1,9%, são de que a região retorne aos patamares de desemprego de 2007, em torno de 8,3%.

Os números são do estudo Panorama Laboral 2008, apresentados hoje em Brasília. "A crise econômica mundial veio interromper um período de cinco anos de notícias positivas na região", afirmou a diretora da OIT no Brasil, Laís Abramo.

A OIT não preparou projeções de desemprego para o Brasil, mas as indicações do final de 2008, afirma Laís, já apontam para um aumento do desemprego no País. "O ano passado foi muito bom e temos aí um saldo de 1,5 milhão de empregos formais criados. Mas os efeitos da crise já começaram a se fazer sentir."

Os dados de crescimento usados pela OIT, preparados pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), apontam que o Brasil deve crescer apenas 2,1% este ano. "Se isso se confirmar realmente entraremos num processo muito forte de redução do crescimento e consequente aumento do desemprego", avaliou a diretora.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.