SÃO PAULO - A Odebrecht divulgou nota na noite desta quinta-feira informando que até as 20h de hoje não havia recebido nenhum comunicado oficial do governo equatoriano sobre a decisão de expulsar a empresa do país, por conta de problemas na hidrelétrica de São Francisco. A empresa diz que ficou sabendo da notícia apenas pela imprensa.

Para que a decisão do governo do Equador se torne oficial é preciso a publicação de um decreto do governo com a medida.

Em sua nota, a Odebrecht ressalta que o acordo firmado pela empresa no dia 24 de setembro, que previa, entre outras coisas, o depósito de uma garantia de US$ 43,8 milhões caso fosse comprovada a falha do consórcio na obra, não foi "produto de uma proposta da empresa e sim da aceitação de todas as exigências do Estado equatoriano".

A empresa diz que aceitou os termos propostos para resolver o conflito com o governo, preservar seus bens e "principalmente garantir a integridade" de seus colaboradores - brasileiros e equatorianos.

A empresa diz que, se a decisão do governo do Equador for confirmada, vai realizar todos os esforços para causar o mínimo de transtorno aos clientes, fornecedores e 3,8 mil colaboradores.

E empresa diz ainda ter preocupação especial com "a situação dos funcionários da empresa ainda impedidos de deixar o Equador".

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.