Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ociosidade de frigoríficos do MT chega a 47%, divulga Imea

São Paulo, 23 - Um relatório divulgado hoje pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola (Imea) mostra que a ocupação da capacidade instalada dos frigoríficos do Estado sofreu uma forte queda neste ano. A ocupação que era de 72% em julho do ano passado recuou para 53% no mesmo período deste ano.

Agência Estado |

Na prática, significa dizer que a ociosidade das indústrias frigoríficas de Mato Grosso que era de apenas 18% no início da entressafra do ano passado passou de 47% neste ano.

A oferta menor de animais é apenas um motivo para o aumento da ociosidade mato-grossense e não é a principal. "O rebanho do Estado caiu cerca de 2%, devido ao abate de matrizes do ano de crise, mas isso não explica uma redução tão grande no uso da capacidade instala", afirma Seneri Paludo, superintendente do Imea. De acordo com Paludo, a demanda dos frigoríficos por boi gordo está menor, já que as empresas também não conseguem fazer repasses no produto vendido aos varejistas.

O levantamento do Imea mostra que a diferença de preço da arroba e do produto final na gôndola do supermercado chega, em alguns casos, a 110%. "Mesmo com esse aumento, não é certo afirmar que há aumento de margem dos varejistas, já que esse elo da cadeia também sofreu com os custos, como aumento de mão-de-obra, energia e impostos, por exemplo", disse Paludo.

Dentro desse cenário o superintendente do Imea tira duas conclusões. A primeira é de que a culpa pelos preços elevados da carne não pode ser atribuída ao pecuarista. Segundo Paludo, nos últimos cinco anos os preços da arroba subiram 82%, enquanto os custos tiveram uma alta de 87%. "Essa valorização recente das cotações da arroba é apenas uma recomposição das perdas do setor", disse.

A segunda conclusão é que os elevados preços que a carne bovina está alcançando podem levar a uma queda no consumo e migração para outros tipos de proteína, como frango, suínos e peixes. "Existe uma preocupação que haja uma mudança no perfil de consumo, o que pode ser muito ruim", afirma.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG