Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

OCDE sugere não elevar mais produção de etanol

SÃO PAULO - A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) defende uma moratória no aumento da produção de biocombustíveis, disse um diretor da instituição, após a divulgação de um relatório crítico ao uso de combustíveis feitos a partir de produtos agrícolas. Entretanto a organização reconheceu que o etanol brasileiro é mais eficiente do que o biocombustível feito de milho.

Valor Online |

Faria bastante sentido ter uma moratória , disse Stefan Tangermann, diretor para comércio e agricultura da OCDE. Todos esses programas têm de ser reconsiderados, pois achamos que eles são ineficientes em termos de combate às mudanças climáticas , disse Tangermann.

Para a OCDE, os subsídios conjuntos, no valor de US$ 11 bilhões, concedidos por EUA, Canadá e a União Européia (UE) aos biocombustíveis têm pouco efeito sobre a redução das emissões de dióxido de carbono. As emissões do gás gerador do efeito estufa geradas por carros, caminhões, aviões e embarcações sofrerão, na melhor da hipóteses , uma diminuição de 0,8% até 2015 nessas regiões com o auxílio dos programas de subsídios, disse Tangermann. Há muitas maneiras mais eficientes de proteger o clima do que subsidiando os biocombustíveis , disse ele.

A produção brasileira de etanol é mais eficiente, reduzindo as emissões em até 90% comparativamente aos biocombustíveis produzidos nos EUA e na Europa, devido ao fato de os produtores locais utilizarem a celulose da cana-de-açúcar no processo de fabricação. O Brasil tem potencial para fabricar e exportar mais etanol e hoje alimenta 20% de sua frota de veículos com o combustível.

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG