Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Obama se diz confiante antes de seu primeiro grande teste de política interna

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se disse nesta quarta-feira confiante na aprovação pelo Congresso de um gigantesco plano de recuperação econômica, poucas horas antes de uma votação que deve representar seu primeiro grande teste de política interna.

AFP |

"Estou confiante" em que o Congresso aprovará o plano, declarou Obama, que recebeu na manhã desta quarta-feira na Casa Branca os patrões de grandes empresas para conversar sobre as formas de lutar contra a crise.

A Câmara dos Representantes deve se pronunciar no final da tarde sobre um plano de 825 bilhões de dólares, cujo principal objetivo é salvar ou criar três a quatro milhões de empregos nos próximos anos.

A aprovação do plano pela Câmara, onde os democratas são maioria, é muito provável. Contudo, o voto dos adversários republicanos de Obama servirá para medir o futuro clima político.

O plano será em seguida submetido ao Senado, talvez já na próxima semana. As duas câmaras deverão então negociar e chegar a um acordo sobre um texto suscetível de ser aprovado por ambas as Casas.

Obama, que insiste na urgência da situação, quer ver o texto em seu escritório antes do dia 16 de fevereiro para assiná-lo e permitir sua aplicação.

O presidente americano transformou a crise econômica em prioridade, e se esforça para que seu plano conte com o apoio dos democratas, mas também com o maior número possível de republicanos.

Para ele, a idéia é governar superando as diferenças políticas.

Trata-se também de dar a maior legimitidade política possível a este plano, muito esperado e que deverá dar resultados rapidamente.

A maior parte do plano (275 bilhões de dólares) consiste em isenções fiscais para estimular o consumo e o investimento, no financiamento de obras públicas, em ajudas aos governos locais e na promoção de medidas sociais.

Hostis por natureza à intervenção do estado na economia, os republicanos consideram o plano caro demais e querem mais isenções fiscais.

lal/yw/sd

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG