O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem, durante entrevista concedida a diferentes redes de televisão norte-americanas, que deseja evitar quaisquer medidas que sinalizem protecionismo ou provoquem tensões no comércio mundial. O comentário foi feito após ser perguntado sobre sua visão em relação às medidas protecionistas presentes no pacote de estímulo econômico, conhecidas como cláusula Buy American, prevendo que a maior parte dos recursos para o setor de infraestrutura seja direcionada a fornecedores norte-americanos.

As medidas, altamente populares entre os democratas no Congresso e entre representantes do comércio norte-americano, enfrentam uma série de críticas dos parceiros comerciais dos Estados Unidos, alguns dos quais ameaçaram tomar medidas legais se a proposta se transformar em lei.

"Penso que seria um erro neste momento", afirmou Obama à rede de TV ABC News. "Esta é uma potencial fonte de guerra comercial que não poderemos evitar em um momento de desaceleração no comércio em todo o mundo", observou.

A disputa em relação à imposição de restrições aos fornecedores começou na semana passada, após a Câmara dos EUA aprovar um projeto que exigiria o uso de ferro e aço fabricado nos país em todos os projetos públicos. O Senado dos EUA está agora debatendo um pacote de estímulo com uma linguagem ainda mais restritiva, prevendo que "todos os bens manufaturados" utilizados em projetos públicos tenham fornecedores norte-americanos.

A União Europeia (UE) elogiou os comentários de Obama. "Ele está apoiando o que é correto para o comércio, correto para a América e correto para a economia global", disse o porta-voz da UE, Peter Power.

Ontem, a União Europeia disse, em carta enviada para a Casa Branca, que os Estados Unidos abririam um "precedente muito sério" se a legislação "Buy American" for aprovada. Autoridades da UE disseram que o grupo poderia entrar com reclamação na Organização Mundial do Comércio (OMC). Segundo eles, esta legislação viola os acordos já estabelecidos pela OMC que proíbem a discriminação de fornecedores nos gastos públicos. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.