Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

O mundo escrito com W

O mundo escrito com W Por Lucas Pretti São Paulo, 19 (AE) - O idioma natal do norte-americano Jimmy Wales é o inglês. Isso - e seu sobrenome - já explicariam a brincadeira no título desta reportagem.

Agência Estado |

Mas a coisa começa a ficar mais séria quando entra em cena a sua principal criação, a enciclopédia colaborativa online Wikipedia, um dos maiores sucessos da rede mundial de computadores.

Outras palavras escritas com a letra W também ajudam a compor o perfil de uma das pessoas mais influentes do mundo atual, segundo as revistas "Time" e "BusinessWeek".

Fruto da web, Jimmy é o maior representante da teoria econômica conhecida por Wikinomics e, a partir da conjunção "with" ("com", em inglês), provou ser possível mudar o mundo com inteligência coletiva.

Ele conversou na semana passada, ao visitar o País por quatro dias para o lançamento da versão local da Wikimedia Foundation, organização sem fins lucrativos por trás da Wikipedia (Wikipédia, em português).

O principal objetivo é atuar na área de educação, e um dos projetos visa incluir mais gente na criação e no compartilhamento de conhecimento e informação, inclusive comunidades indígenas brasileiras (o Link falou disso na semana passada: http://is.gd/7fDT).

Em São Paulo, Wales passeou pela Avenida Paulista, ficou mal impressionado com o desrespeito paulistano aos semáforos de pedestres e não largou o smartphone nem ao responder às perguntas. Em uma hora de entrevista, escreveu no mínimo cinco e-mails. Precisa perguntar se é um homem conectado?
Originalmente formado em economia, Jimmy Donal Wales criou com Larry Sanger a Wikipedia em 2001. Ele não se lembra do primeiro verbete da enciclopédia: "Deve ter sido a página principal." Mas lembra rápido do último verbete que consultou antes de viajar para a América do Sul na semana passada: o da livraria argentina El Ateneo (http://is.gd/2j8v). Buenos Aires foi seu último destino antes de chegar a São Paulo e, ao contrário do ainda presidente americano George W. Bush, ele sabia que a cidade não é a capital brasileira.

GOVERNO COLABORATIVO - Já que esbarramos na política, Wales conta que teria votado em Barack Obama caso não estivesse viajando durante o período das eleições. Está feliz com a vitória do democrata porque acredita que ela pode dar início a uma maior inter-relação entre governos e internet.

Inclusive para a tecnologia wiki. "Nenhum governante pode ignorar as manifestações online", afirma. "Acredito que no futuro assistiremos à criação de uma plataforma de governo de forma colaborativa, pela internet. O wiki serviria com facilidade a isso."
A palavra havaiana significa "muito rápido" em referência à velocidade com que as páginas podem ser editadas online por várias pessoas ao mesmo tempo. Wales, quem diria, não tem o hábito de editar verbetes. "Não quero criar confusão na comunidade." A palavra é sagrada no discurso do empresário: o coletivo vem sempre em primeiro lugar.

A Wikipedia é a maior enciclopédia do mundo, com 7,5 milhões de verbetes em 257 idiomas e dialetos. Tanto a Britannica como a Encarta, com versões impressas e online (pagas), competem com 28 mil verbetes cada.

‘DISCUTIR AS CERTEZAS’ - Pode-se dizer que, hoje, não há trabalho escolar ou pesquisa na internet que ignore a Wikipedia. Para Wales, a discussão sobre credibilidade e confiabilidade das informações está superado: "Vivemos num tempo em que é preciso estar aberto para discutir as certezas, inclusive as de fonte ‘oficial’. Algo é confiável por estar impresso?"
Nem de longe a afirmação soa arrogante. O criador da cultura wiki admite que há diversos sistemas de conhecimento humano além do enciclopédico. Por isso seria impossível criar algo parecido com o que se queria com a Biblioteca de Alexandria, no antigo Egito, um lugar que comportaria todo o conhecimento humano. "Livros, manifestações audiovisuais, cultura oral... Muita coisa não cabe na Wikipedia", diz Wales.

"Jimmy, no Brasil, um ditado diz que a voz do povo é a voz de Deus. A Wikipedia é a voz de Deus?", provoca o repórter. "Bem, diria que esse é o espírito da coisa", responde.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG