Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

O herbicida Roundup é perigoso, inclusive em doses mínimas, segundo estudo

Um estudo realizado por um especialista em biologia molecular, afirma que o herbicida Roundup, o mais utilizado no mundo, é perigoso para a saúde humana, inclusive em doses mínimas, o que foi desmentido pelas empresa americana Monsanto que o vende.

AFP |

"Trabalhamos com células de recém-nascidos com quantidades do produto 100.000 vezes inferiores com as quais qualquer jardineiro comum está em contato. O Roundup programa a morte das células em poucas horas", declarou à cientista francês Gilles-Eric Séralini, professor de biologia molecular, autor do estudo publicado pela revista Chemical Research in Toxicology.

"Os riscos são principalmente para as mulheres grávidas, mas não apenas para elas", acrescentou o pesquisador do Comitê de Pequisa e Informação Independente sobre Engenharia Genética (Crii-gen).

Da alergia ao câncer, quando é maior a fragilidade da pessoa, maior é o risco, acrescentou.

A Monsanto França responde à consulta da AFP a respeito desse estudo mediante um comunicado no qual assinala que o "Roundup foi concebido unicamente como herbicida. Os trabalhos realizados regularmente pela G-E. Séralini sobre o Roundup constituem um desvio sistemático do uso normal do produto a fim de denigri-lo, apesar de ter sido demonstrada sua segurança sanitária há 35 anos no mundo".

Por sua parte, a Séralini recordou que, "em 2005, foi provada sua toxicidade, mas não em doses infinitesimais".

A agência americana de proteção ao meio ambiente (US Environmental Protection Agency, EPA) detalhou os efeitos nocivos para a saúde que pode provocar a exposição a importantes doses de Roundup: "congestão pulmonar e aceleração do ritmo respiratório", entre outros.

Este herbicida é utilizado pelo governo colombiano apoiado pelos Estados Unidos dentro do chamado Plano Colômbia, oficialmente destinado a destruir as plantações de coca.

Em janeiro de 2007, a sociedade Monsanto foi condenada por um tribunal de Lyon (centro-leste da França) por falsa propaganda do Roundup, tal como ocorreu anterioremente e pelos menos motivos nos Estados Unidos.

Em virtude destas condenações, a Monsanto não pode assinalar nos rótulos do produto que o mesmo é biodegradável.

clc/cn

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG