Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

O cachorro virou um ícone muito forte

Mascote do iG foi uma forma criada por Nizan Guanaes de aproximar a internet do público e fortalecer a marca

Mariana Castro |

“É este!” Quando o vídeo com cachorros de raças, cores e tamanhos diferentes foi exibido na tela, ficou fácil escolher. O branquinho fofo, de nome esquisito, desbancou a concorrência. O ano era 2000 e a frase, de Nizan Guanaes. O grupo que começava a história de um portal na internet estava reunido no local onde funcionava a Agência Click, na sala de um prédio da Avenida Berrini, em São Paulo, para escolher o mascote do iG.

iG
Mascote do iG participa de campanha do lançamento do Último Segundo
Foi de Nizan a ideia de ter um cachorro como garoto-propaganda. Ele acreditava que seria importante para tornar a relação com a internet mais amigável. Naquela época, a avaliação era de que a web intimidava as pessoas. “O cachorro virou um ícone muito forte, até hoje lembrado pelas pessoas como sendo do iG”, diz o publicitário. “É um ícone que criou vínculos emocionais e aproximou as marcas das pessoas num ambiente tecnológico.”

Se a escolha da raça escocesa West Highland White Terrier, ou Westie, foi fácil, a do exemplar da espécie demorou mais. O cachorro original do iG era na verdade uma cadela, Micky, e foi importada de Los Angeles, onde nasceu. Ela estava mais para pop star do que para garota-propaganda, com cachê alto e vários mimos.

A imagem do mascote pegou e “o cachorrinho do iG” virou um fenômeno. Se antes um filhote da raça era vendido por cerca de R$ 1 mil, depois da campanha do iG passou a valer em média R$ 2,5 mil.

O cachorrinho protagonizou diversas campanhas, do lançamento à divulgação de produtos como iG Flores e iG Pizza. Também ajudou a divulgar que o portal havia passado a operar no azul, ou seja, que pagava sozinho as próprias contas.

Além de Micky (e alguns "dublês", já que a cachorrinha tinha agenda cheia e cada viagem ao Brasil saía caro) outros cachorros da raça fizeram parte da história do iG. Ainda em 2000, os fundadores do portal, Nizan e Matinas Suzuki Jr. resolveram participar de uma ação beneficente de um site, que promoveu um leilão de filhotes Westie. Cada um arrematou um filhote.

:Um deles foi sorteado entre os funcionários do portal. Chama-se Babado, em homenagem ao primeiro site do iG. O outro, antes de também ser sorteado para uma pessoa da equipe, passou um tempo morando na redação. O cachorro ficava aos cuidados de jornalistas, designers e web masters. Havia, inclusive, uma tabela com horários para comida e passeio do cachorro, e o nome do responsável da vez ao lado. Por causa do jornal online Último Segundo, a redação funciona 24 horas, sete dias por semana. Foi muita agitação para um cachorro só.

Até hoje, como bem sabem os donos de Westie, é inevitável ouvir “olha o iG” ao passear com o cachorrinho pelas ruas. Na época em que Micky estava na ativa, Nizan brincava que ela seria o primeiro cachorro da história a ganhar "stock options".

Veja o vídeo da nova campanha do iG, que estreia neste domingo:

null

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG