Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

NY cai com queda do petróleo e fala de Bernanke

Os principais índices do mercado de ações norte-americano viraram e operam em baixa na tarde desta terça-feira, e rapidamente atingiram as mínimas do dia, com a firmeza do dólar conduzindo uma queda nos preços do petróleo e ações de companhias de energia. Os movimentos nos mercados financeiros seguem voláteis.

Agência Estado |

Às 15h12 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 90 pontos (-0,82%), o Nasdaq recuava 10 pontos (-0,49%) e o S&P-500 registrava uma queda de 11 pontos (-0,94%). No setor de energia, as ações da Chevron caíam 0,96% e as da ExxonMobil subiam 0,08%.

A virada nos mercados começou depois que o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, e o secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, disseram aos membros do Congresso que a economia dos EUA e seus mercados financeiros enfrentam sérios riscos se o plano de socorro para aliviar o aperto no crédito não for rapidamente aprovado.

Isso provocou algum nervosismo nos mercados financeiros, com as ações revertendo os ganhos iniciais e os preços dos Treasuries (títulos do Tesouro dos EUA) subindo, com respectivo movimento inverso dos juros, no clássico movimento de fuga para a qualidade.

Os preços dos contratos futuros de petróleo, que ontem chegaram a atingir US$ 130,00 por barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), despencam para ao redor de US$ 104,00 por barril, pressionado pelas preocupações relacionadas ao cenário macroeconômico.

Às 15h13 (de Brasília), na Nymex, os contratos de petróleo com vencimento em novembro estavam em US$ 105,35 por barril, queda de US$ 3,01 (-2,75%). No mesmo horário na ICE Futures, em Londres, os contratos de petróleo Brent para novembro estavam em US$ 102,63 por barril, queda de US$ 3,41 (-3,22%).

No mercado global de moedas, o dólar começou o dia em baixa acentuada, com os investidores hesitando diante do custo de US$ 700 bilhões do plano de socorro do Tesouro. Contudo, nesta tarde, o euro atingia a mínima do dia de US$ 1,4623, pressionado pelo declínio nos preços do petróleo e um fluxo de busca de segurança para os ativos americanos depois que as autoridades econômicas dos EUA alertaram sobre os graves riscos para a economia.

Às 15h13 (de Brasília), o euro estava em US$ 1,4690, de US$ 1,4807 ontem; o iene estava em 105,59 por dólar, de 105,38 por dólar ontem. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: wall street

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG