Tamanho do texto

O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York abriu o pregão regular desta terça-feira em baixa e cedia 0,34% a 8.444 pontos, às 12h32.

O Nasdaq recuava 0,24% a 1.535 pontos e o S&P 500 operava em baixa de 0,56% a 865 pontos. Pela manhã, os índices futuros apontaram abertura em baixa, em reação ao balanço negativo da fabricante de alumínio Alcoa, divulgado ontem à noite, e aos comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, de que o momento da recuperação econômica é incerto. Por outro lado, a redução do déficit comercial dos EUA em novembro para o menor nível desde novembro de 2003 pode trazer algum alívio para os investidores.

O momento e a força da recuperação econômica global "ainda são altamente incertos", disse Bernanke hoje, acrescentando que as respostas coordenadas de políticas dos governos serão críticas para recuperar a economia. Segundo ele, a próxima etapa na batalha contra a crise do mercado financeiro é fazer com que ativos podres saiam do balanço das instituições financeiras.

Bernanke disse que o governo poderá ter de aplicar mais injeções de capital nas empresas financeiras para ajudar a estabilizar os mercados.

De acordo com o Departamento do Comércio, o déficit comercial dos EUA caiu 28,7% para US$ 40,44 bilhões, ante o déficit revisado de outubro, de US$ 56,69 bilhões. O recuo porcentual em novembro foi o maior desde outubro de 1996. Economistas consultados pela Dow Jones estimavam um déficit comercial de US$ 51 bilhões.

Após o fechamento do mercado ontem, a Alcoa anunciou prejuízo líquido de US$ 1,2 bilhão (US$ 1,49 por ação) no quarto trimestre, de um lucro de US$ 632 milhões (US$ 0,75 por ação) registrado em igual período de 2007. O resultado do último trimestre refletiu os pesados encargos com reestruturação para enfrentar a fraca demanda global por alumínio. No pré-mercado, as ações da Alcoa chegaram a cair 1,5%. Nos primeiros negócios no pregão regular hoje, Alcoa cedia 4,97%.

A preocupação com o balanço trimestral ainda prejudica as ações do Citigroup, que declinaram 5,2% no pré-mercado. Ontem, as ações do banco caíram 17,04%, em reação às notícias de que o Citi poderá vender participação majoritária na corretora Smith Barney para o Morgan Stanley.

Bank Of America perdia 3,5%. O Merrill Lynch e o Bank of America, seu novo controlador, preparam-se para cortar cerca de 1,9 mil empregos em Londres, no que seria a maior redução de funcionários em uma única vez na história da City londrina, divulgou o jornal The Times em seu Web site.

Ainda no tema resultados, a fabricante de impressoras Lexmark International cortou a projeção para o balanço do quarto trimestre e espera agora lucro excluindo um benefício tributário entre US$ 0,71 e US$ 0,76 por ação, com queda de 17% na receita. Em outubro, a empresa estimava lucro de US$ 0,70 a US$ 0,80 por ação. A menor projeção de ganho fez as ações da empresa caírem 8,3% no pré-mercado.

Em relação à indústria de produtos para consumo, o Merrill Lynch disse estar mudando sua postura sobre o setor, buscando empresas mais estáveis e menos alavancadas. No relatório, o banco elevou a recomendação para Alberto-Culver e Kimberly-Clark e rebaixou Energizer Holdings e Newell Rubbermaid. As informações são da Dow Jones.