Por Michele Gershberg NOVA YORK, 28 de novembro (Reuters) - Parentes distantes, parentes não consanguíneos e amigos que nem respondem emails estão fora da lista de presentes neste ano de crise nos Estados Unidos.

Os norte-americanos vão às compras neste final de semana da Black Friday --dia pós-Ação de Graças tradicionalmente de compras para as festas de fim de ano--, com muitos deles comprando para si roupas e eletrônicos após meses de economia.

Muitos disseram que encurtaram a lista de presentes, mas poucos ficaram com peso na consciência, devido à fraca economia. Outros afirmaram que este ano está sendo um bom momento para escolher quem de fato merece ganhar um presente.

Ayanna Brown, que perdeu o emprego no ano passado, está cortando "todo mundo com idade o suficiente para conseguir um emprego" de sua lista de presentes de Natal.

"No Natal, você tem que gastar com as crianças, então os adultos entendem", disse ela em enquanto fazia compras no Brooklyn.

Lillian Shine, administradora de uma organização sem fins lucrativos, tirou de sua lista colegas de trabalho e parentes não consanguíneos e disse que ela mesma fará doces para presentear.

Marshal Cohen, analista sênior da consultoria de varejo NPD Group, lembrou que nos anos de crédito fácil e aumento dos preços de moradias antes da crise, "todo mundo tinha listas de presentes cada vez maiores". "Neste ano, a lista vai ser menor, mas as coisas das listas não necessariamente serão mais baratas."

Segundo ele, parentes não consanguíneos são mais frequentemente deixados de lado.

Algumas famílias encontraram formas alternativas para presentear. Don Calvert, de Washington, disse que a família de sua namorada chegou a um acordo no qual cada membro tem que comprar um presente para um parente de 30 dólares ou menos.

Andrea Mowers, do Arizona, sorteou alguns nomes entre sua ampla família para facilitar a escolha de presentar.

Paula Smith, que juntou-se aos Mowers para a temporada de compras, não vai presentear amigos. "Entre todos os meus amigos concordamos em não trocar presentes. Já temos muita coisa."

Debra Diriwachter, de Nova York, tirou de sua lista "uma amiga com quem não tem mais muito contato".

(Com reportagem adicional de Phil Wahba, Dhanya Skariachan, Diane Bartz, Nicole Maestri, Brad Dorfman e Tom Hals)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.