RIO - O presidente da norueguesa Norse Energy, Kjetil Solbreakke, afirmou que o modelo de exploração de petróleo no Brasil já se assemelha ao que é feito no país escandinavo. Para o executivo, uma mudança brusca nas regras do setor petrolífero no Brasil dificilmente caminhará na direção do modelo norueguês.

O modelo no Brasil já é muito semelhante ao norueguês. É um modelo no qual há diversidade de empresas, no qual o estado controla uma grande companhia, no qual há grandes ambições de desenvolver a indústria local e no qual há transparência, frisou o executivo, que participou hoje de cerimônia de premiação promovida pela Sociedade dos Engenheiros do Petróleo, no Rio de Janeiro.

Solbreakke ressaltou que há cerca de três anos, quando disse que o Brasil poderia ter importância maior que o Golfo do México para a exploração de petróleo, muitos integrantes do setor acharam que a afirmação era exagerada. Hoje, segundo ele, está claro que a produção offshore brasileira vai ser muito mais importante que o Golfo do México.

Espero que a discussão atual, e entendo que é uma discussão política bastante importante, não destrua essa oportunidade que o país tem, disse Solbreakke.

Atualmente, a Norse Energy produz 5,4 mil barris diários de óleo equivalente, nos campos de Manati, na Bahia, e de Coral, em Santa Catarina, ambos em águas rasas. Em Manati a empresa tem 10% de participação e conta com outros 35% em Coral. O objetivo da companhia é atingir, entre 20 mil e 25 mil barris de óleo equivalente por dia entre 2012 e 2013.

Para isso, o diretor de Exploração e Produção da Norse Energy do Brasil, Milton Romeu Franke, estima investimentos entre US$ 50 milhões e US$ 100 milhões em exploração e outros US$ 400 milhões no desenvolvimento do campo de Cavalo Marinho, na Bacia de Santos.

O executivo também apoiou o atual modelo de exploração de petróleo no Brasil e ressaltou que a companhia tem acompanhado com cautela as discussões realizadas em Brasília sobre possíveis mudanças no setor.

O modelo atual é moderno e pode ser ajustado no sentido de trazer os benefícios que o Brasil precisa, disse.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.