Tamanho do texto

A Nokia, maior fabricante mundial de celulares, está pensando em entrar no segmento de laptops. A informação é do presidente executivo da companhia, Olli-Peka Kallasvuo, em entrevista à TV finlandesa YLE.

"Estamos considerando essa atividade de maneira muito ativa", disse Kallasvuo.

O setor vem discutindo rumores sobre um possível plano da Nokia de produzir computadores desde o fim do ano passado, mas a declaração de Kallasvuo foi a primeira admissão oficial desses planos. "Não precisamos nem mesmo antecipar a situação que existirá em cinco anos para ver que aquilo que conhecemos como celular e aquilo que conhecemos como computador estão de muitas maneiras convergindo", disse Kallasvuo.

Os comentários do presidente da Nokia surgem uma semana depois que a Acer, terceira maior fabricante mundial de computadores, fez sua primeira incursão ao mercado de celulares, com oito modelos, unindo-se à líder Hewlett-Packard e à Lenovo, quarta empresa no ranking da computação, na disputa por esse mercado.

Embora as fortes margens de lucro no segmento de celulares inteligentes atraiam as marcas de computadores, os atrativos no setor de PCs, onde as margens são menores, parecem menos óbvios.

"A Nokia pode estar nervosa quanto a entrar em um segmento de mercado onde as distinções de marca já pouco importam, mas estaria em posição de explorar sua enorme escala em termos de produção, cadeia de suprimento e distribuição", disse Ben Wood, diretor de pesquisa da CCS Insight.

"Todas as grandes operadoras de telefonia móvel e cadeias de varejo de celulares estão acrescentando notebooks e netbooks às suas carteiras de produtos, além dos celulares. Com base nisso, não surpreende que a Nokia esteja avaliando esse segmento", acrescentou.

O setor mundial de computadores se manteve firme na maior parte do ano passado, enquanto outros setores de tecnologia cambalearam, mas agora também se vê apanhado pela crise cada mais grave, que prejudica a demanda de consumidores e empresas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.