Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

No berço do MP3 nasce o som do futuro

No berço do MP3 nasce o som do futuro Por Lucas Pretti Erlangen, Alemanha, 08 (AE) - Qualquer novidade menor ganha hoje a alcunha de revolução. A palavra da moda atinge desde ferramentas da web a celulares e novos games.

Agência Estado |

Mas o que é revolucionário de fato? A lâmpada, o telefone, o carro, a internet. É aquilo que muda de forma profunda a vida, os hábitos e, principalmente, altera as certezas. Exatamente como fez o MP3.

A maternidade da revolução sonora e musical que o mundo vive desde os anos 90, a unidade de circuitos integrados do Instituto Fraunhofer, responsável pela invenção do MP3 em 1987. No meio de uma área quase rural na região da Bavária, no sul da Alemanha, estão os superlaboratórios, estúdios e computadores que permitiram diminuir em dez vezes o tamanho dos arquivos de áudio.

Aquelas paredes na pequena cidade de Erlangen já abrigam outras revoluções. Estão em pleno desenvolvimento arquivos de MP3 capazes de simular cinco canais de som no fone de ouvido (e dar a sensação de 3D) ou de comprimir arquivos 5.1 e tornar todas as músicas "imersivas". Os novos experimentos têm o nome de MP3D e MP3 Surround. É possível baixar arquivos de teste e um software que compara a qualidade do som no site www.mp3surround.com.

Na verdade, a importância histórica do Fraunhofer é estar por trás de toda a mudança de comportamento e da quase bancarrota da indústria musical tradicional, justamente por promover uma revolução silenciosa: a do som. Foi ela que levou a música para o seu bolso, trouxe realismo para o cinema, possibilitou as trilhas sonoras de games e universalizou a produção musical. No metrô todo mundo ouve música. A "culpa" é deles.

"Não sabíamos que havíamos criado algo tão revolucionário, talvez equivalente ao formato JPEG na compressão de imagens. Isso veio com os anos", afirmou em entrevista exclusiva ao Link o cientista-chefe da divisão de áudio e multimídia do Fraunhofer, Jürgen Herre. "O próximo passo é tornar acessíveis arquivos de áudio ainda mais complexos, com vários canais. Queremos levar a imersão a todos."
Logo na entrada do instituto, pela organização e um certo luxo, percebe-se que funciona bem a colaboração entre as esferas pública e privada na Alemanha. O Fraunhofer é só 20% do governo e nenhuma das 56 unidades está ligada a universidades. Os trabalhos seguem a lógica e as necessidades do mercado.

O formato AAC, por exemplo, uma evolução do MP3, foi vislumbrado como possível sucesso comercial pelo instituto e desenvolvido em parceria com a AT&T, Sony, Dolby e Nokia. Vendido à Apple, virou o formato padrão de músicas do iPod, o player mais famoso do mundo.

Pode-se dizer que o laboratório para desenvolver essas tecnologias é o lugar mais silencioso do globo. Imagine uma caixa de concreto de dez metros cúbicos com seis caixas de som distribuídas pelo espaço e isolamento acústico. Coloque essa caixa dentro de outra maior, com um espaço entre as duas e outra camada de isolamento. E tudo isso dentro de um prédio. Foi de lá que saiu o MP3.

Além do laboratório de áudio, outro apenas para pesquisas de cinema está em fase de construção. Também dentro do complexo está o gigantesco estúdio para gravação de jingles e músicas que servirão de cobaia para os cientistas. Sem falar nas dezenas de salas individuais dos pesquisadores. Hoje, a unidade de circuitos integrados tem 13,5 mil metros quadrados, 450 funcionários e financiamento anual de 50 milhões.

Nesta edição, exploramos as novas fronteiras do som digital, damos dicas de como comprimir arquivos com qualidade e mostramos quais os equipamentos mais inovadores do mercado, exibidos no Hi-Fi Show, na semana passada, em São Paulo.

Na seção Saiba Como, veja como integrar seu equipamento de som à TV, melhorando, sem gastar muito, a experiência de áudio em seu dia-a-dia.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG