Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Nissan vai demitir 20 mil empregados em todo o mundo

Tóquio, 9 fev (EFE).- A montadora japonesa de automóveis Nissan anunciou hoje que dispensará 20 mil empregados em todo o mundo todo até março de 2010, embora não deva fechar nenhuma fábrica, ao divulgar uma perda líquida de 83,2 bilhões de ienes (US$ 915 milhões) de outubro a dezembro do ano passado, entre outros resultados negativos.

EFE |

A Nissan prevê que para todo o ano fiscal de 2008, que se encerra em março, registrará um resultado negativo líquido de 265 bilhões de ienes (US$ 2,91 bilhões).

Essas serão as primeiras perdas do terceiro fabricante japonês de automóveis desde que o franco-brasileiro Carlos Ghosn assumiu sua Presidência da companhia em 1999, através de uma aliança com a montadora francesa Renault.

Ghosn disse hoje que o impacto da crise global excedeu os cálculos da companhia, "com seu contínuo efeito no crédito e a queda na confiança dos consumidores" como os dois "fatores mais prejudiciais".

Em comunicado, a Nissan explicou que cortará 20% dos custos trabalhistas nos "países de alto custo", dos 875 bilhões de ienes atuais (US$ 9,611 bilhões) para 700 bilhões de ienes (US$ 7,69 bilhões).

"A força de trabalho se reduzirá em 20 mil pessoas até o ano fiscal 2009 (que termina em março de 2010), o que reduzirá a força de trabalho de 235 mil para 215 mil empregados", assinala.

No último trimestre de 2008, a empresa japonesa vendeu 18,6% veículos a menos, 731 mil unidades, e a receita líquida foi 34,4% menor, 1,81 trilhões de ienes (US$ 19,955 bilhões).

Agora, a empresa espera uma perda líquida de 265 bilhões de ienes (2,91 bilhões), contra um lucro de 160 bilhões de ienes (US$ 1,754 bilhões) de outubro, e perdas operativas de 180 bilhões de ienes (1,974 bilhões), contra um lucro de 270 bilhões de ienes (US$ 2,961 bilhões).

Quanto à receita, a Nissan prevê obter no atual ano fiscal 8,3 trilhões de ienes (US$ 91,018 milhões), contra os 9,6 trilhões de ienes (US$ 105,2 bilhões) que ainda previa há pouco mais de três meses. EFE psh/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG