Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Nevascas restringem produção industrial nos EUA

WASHINGTON (Reuters) - A produção industrial dos Estados Unidos freou bruscamente em fevereiro, restringida pelas severas nevascas que atingiram parte do país, e a atividade manufatureira no estado de Nova York ficou estagnada neste mês. Os relatórios divulgados nesta segunda-feira, porém, não devem gerar preocupações sobre a recuperação econômica devido ao impacto do clima e ao fato de que os detalhes dos dados mostram sinais de força subjacente.

Reuters |

O Federal Reserve disse que a produção industrial nos EUA cresceu 0,1 por cento em fevereiro, após crescer 0,9 por cento em janeiro, e atribuiu a desaceleração ao tempo ruim. O crescimento pequeno veio alinhado às expectativas do mercado. O uso da capacidade instalada, no entanto, foi o mais alto em mais de um ano.

Um outro relatório do Fed de Nova York mostrou que o índice do setor manufatureiro caiu para 22,86 neste mês, de 24,91 em fevereiro. Os mercados esperavam que a medida caísse para 22.

"Eu não acho que haja algo muito emocionante sobre os números. Eu acho que a tendência implícita ainda é positiva", disse David Sloan, economista da 4Cast em Nova York.

As bolsas de valores dos EUA operavam em queda, pressionadas por preocupações sobre um possível aperto monetário na China, que poderia atrasar a recuperação econômica global. Os preços dos bônus do governo norte-americano tinham poucas mudanças, enquanto o dólar subia ante o euro e o iene.

Os relatórios vieram um dia antes da reunião do Federal Reserve sobre a taxa de juros. O banco central dos EUA deve manter o juro entre zero e 0,25 por cento, e sustentar a promessa de mantê-lo baixíssimo por um "período extenso" para fomentar uma recuperação econômica mais robusta.

Apesar de a atividade manufatureira no estado de Nova York ter desacelerado neste mês, o índice de emprego subiu para o maior nível desde outubro de 2007, e o índice de estoques subiu acima de zero pela primeira vez em mais de um ano.

"Você está vendo uma evidência clara de uma recuperação em forma de V no setor manufatureiro, em parte porque ele encolheu tão rapidamente durante a recessão, mas também há muitos fundamentos positivos", disse Zach Pandl, economista da Nomura Securities International em Nova York.

O relatório de produção industrial mostrou que a atividade manufatureira caiu 0,2 por cento no mês passado, depois de crescer 0,9 por cento em janeiro. A mineração cresceu 2 por cento, somando-se ao aumento de 1,1 por cento em janeiro.

O setor de serviços de utilidade pública cresceu 0,5 por cento em fevereiro após um ganho de 0,6 por cento no mês anterior.

A utilização da capacidade instalada, uma medida da ociosidade na economia, subiu para 72,7 por cento, a maior desde dezembro de 2008, de 72,5 por cento em janeiro. Isso ainda foi 7,9 pontos percentuais abaixo da média de 1972 a 2009, disse o Fed.

Um terceiro relatório do Departamento do Tesouro norte-americano mostrou que os investidores estrangeiros venderam 33,4 bilhões de dólares líquidos em ativos dos EUA em janeiro, mas continuaram sendo compradores líquidos dos títulos da dívida do Tesouro do país.

(Reportagem de Lucia Mutikani em Washington e Wanfeng Zhou em Nova York; Reportagem adicional de Chris Reese em Nova York)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG