A Net Serviços não identificou nenhum componente que possa estimular o crescimento da atuação da empresa em novas áreas dentro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), segundo o diretor executivo jurídico e de Relações com Investidores, André Borges. "Ainda estamos entendendo o plano, mas pelo que se leu até aqui, não sei se será suficiente (para expandir o serviço a novas áreas)", afirmou, após participar, em São Paulo, de reunião com analistas de mercado (Apimec).

A Net Serviços não identificou nenhum componente que possa estimular o crescimento da atuação da empresa em novas áreas dentro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), segundo o diretor executivo jurídico e de Relações com Investidores, André Borges. "Ainda estamos entendendo o plano, mas pelo que se leu até aqui, não sei se será suficiente (para expandir o serviço a novas áreas)", afirmou, após participar, em São Paulo, de reunião com analistas de mercado (Apimec). Na avaliação de Borges, o plano desconsidera o papel da maior operadora privada de cabo do País. Para ele, o PNBL deveria estimular a concorrência, por meio do acesso às empresas privadas do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) ou de linhas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a melhores custos, além de um programa de benefícios fiscais. Sobre as propostas de valores apresentadas pelo governo, de planos custando até R$ 35, ele ressaltou que a companhia já pratica preços parecidos no Estado de São Paulo. Borges salientou, porém, que essas operações apenas são rentáveis em mercados economicamente viáveis. "Em outros mercados, menos rentáveis, a operação se tornaria possível apenas com subsídios", afirmou. Segundo o executivo, o governo poderia dar mais subsídios e incentivos, para estimular a entrada do serviço em novas regiões, gerando um aumento de arrecadação. "A existência de um competidor com o perfil da Net seria suficiente para garantir qualidade e disponibilidade de serviços em áreas onde, economicamente, não é viável a operação", afirmou. Borges considera ainda que o plano não exerce uma pressão de aumento da concorrência da Net. "Nós somos o elemento de competição, por nossa qualidade de serviços. Por mais que existam falhas, comparativamente, nossos investimentos nos tornam mais competitivos", afirmou, lembrando que o capex (investimento) programado para este ano é de R$ 1,2 bilhão, dos quais R$ 200 milhões em expansão de rede.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.