Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Negociador americano visitará usina nuclear norte-coreana

Washington, 29 set (EFE) - O secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos para assuntos da Ásia do Leste e do Pacífico, Christopher Hill, viajará esta semana à usina nuclear de Pyongyang na Coréia do Norte, informou hoje o Departamento de Estado americano.

EFE |

O secretário adjunto "viajará para Pyongyang para conhecer, no terreno, o que está acontecendo e, evidentemente, falar com as autoridades norte-coreanas", disse o porta-voz adjunto do Departamento de Estado dos EUA, Robert Wood.

Hill deve se reunir terça-feira em Seul com o negociador nuclear sul-coreano, Kim Sook, para tratar sobre o recente anúncio da Coréia do Norte de retomar seu programa nuclear.

Mas, segundo anunciou Wood, além desta reunião "posteriormente durante a semana visitará Pyongyang antes de viajar para Pequim para se reunir com o vice-ministro de relações exteriores Wu Dawei".

A viagem asiática de Hill, que será acompanhado do responsável em assuntos coreanos do Departamento de Estado americano, Sung Kim, também incluirá uma escala em Tóquio, onde se reunirá com o representante japonês nas negociações nucleares.

Wood manifestou a preocupação dos Estados Unidos "com a mudança de atitude no compromisso da Coréia do Norte", e destacou que Hill "quer consultar as outras partes da negociação na região sobre qual será o próximo passo que deve ser dado considerando o que a Coréia do Norte está fazendo".

As duas Coréias, China, Japão, Rússia e EUA mantêm negociações de seis lados para tentar conseguir a desnuclearização da Coréia do Norte.

O porta-voz do Departamento de Estado americano destacou que Hill "viajará à região para tentar encontrar a maneira de trabalhar com nossos aliados para comprovar que a Coréia do Norte cumpre suas obrigações", e pediu às autoridades norte-coreanas que apresentem seu pacote de verificação de que abandonam o programa nuclear.

"Não é um pedido grande, não estamos pedindo nada que não possam fazer", afirmou. EFE elv/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG