Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Não há razão para mexer no preço da gasolina, diz Lobão

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse hoje que agora não há motivos para reduzir o preço da gasolina no mercado interno, mesmo com a queda da cotação do barril de petróleo no exterior.

Agência Estado |

 

 

Acordo Ortográfico "Quando fizemos o reajuste da gasolina e do diesel [em 30 de abril] não estávamos repassando aquela alta pontual, mas sim a elevação acumulada ao longo de um período, de anos de alta", comentou o ministro, em entrevista após participar da Rio Oil & Gas Conference.

Sobre o assunto, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, que participou do mesmo evento, voltou a dizer que as oscilações do mercado internacional não serão repassadas para os preços domésticos do diesel e da gasolina. "E se a Petrobras não reajustou [o preço] novamente, quando o petróleo subiu a US$ 147 [o barril], não é agora que vai fazer isso." Em julho, o barril de petróleo chegou a ser negociado no nível recorde de US$ 147 e depois sofreu sucessivas quedas, sendo negociado, atualmente, abaixo de US$ 100 o barril, em Nova York.

Gabrielli disse que não vê motivos para espera de uma queda significativa no preço do barril de petróleo no curto prazo. Tendo como análise a situação mundial de oferta e da demanda, ele apontou que o consumo vem apresentando queda. "Há uma tensão e isso faz com que os movimentos se exacerbem", disse.

Indagado sobre o motivo que leva a Petrobras a reajustar apenas o querosene de aviação (QAV) mensalmente, ele comentou que "são mercados diferentes, o que permite contratos diferenciados".

Leia mais sobre preços da gasolina

Leia tudo sobre: petroleopetróleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG