Apesar da expectativa de que a venda da Nossa Caixa seja aprovada sem a menor dificuldade na Assembléia Legislativa, o PT empenhou-se - ao menos no discurso - em criticar duramente a operação. Reconhecendo que está em aparente contradição, pelo fato de o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva estar por trás da compra, petistas não economizaram nos ataques.

Na prática, entretanto, nem os críticos mais ferrenhos duvidam que o aval dos deputados sairá ainda este ano.

"É um negócio ruim para o governo do Estado. O fato é que São Paulo perde um importante instrumento de fomento", disse o líder do PT na Assembléia, deputado estadual Roberto Felício. Ele afirmou que o negócio serve apenas aos interesses políticos do governador José Serra, que terá um reforço de caixa para investimentos, no momento em que seu nome ganha força para a disputa presidencial de 2010.

Felício disse que o Banco do Brasil foi guiado por "interesses comerciais". "Claro que, se o governo do Estado decide vender a Nossa Caixa, o Banco do Brasil vai se apresentar. Mas não significa que o governo Lula acredite que a Nossa Caixa deve ser vendida."

Na base de apoio de Serra, entretanto, o clima já é de vitória. Ontem, líderes governistas trocaram telefonemas com petistas, para preparar o terreno para a chegada do projeto na Assembléia, previsto para segunda ou terça-feira. Entre apoiadores do governo, a tese é de que, com o Banco do Brasil como comprador, nem o PT vai atrapalhar a votação. E, em caso de qualquer dificuldade, um simples pedido do presidente Lula ou do governador José Serra resolveria a questão.

"As condições políticas para uma aprovação ainda este ano são muito favoráveis e eu acredito que ela vai acontecer", afirmou o presidente da Assembléia, deputado Vaz de Lima (PSDB). "Poderá haver mais ou menos dificuldade, dependendo do texto. Mas há um interesse de Estado no negócio."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.