Tamanho do texto

RIO DE JANEIRO, 9 de dezembro (Reuters) - A MPX, braço de energia do grupo EBX, do empresário Eike Batista, obteve junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financiamento de 1,038 bilhão de reais para uma térmica a carvão no Maranhão, com potência instalada de 315 megawatts. O empréstimo para a obra, incluída no Programa de Aceleração do Crescimento, terá prazo de 17 anos e amortizado em 14, segundo comunicado da MPX ao mercado. A empresa terá carência para pagamento de juros e principal até julho de 2012.

Os recursos serão divididos em um empréstimo direto de 797 milhões de reais, ao custo de TJLP (6 por cento) mais 2,78 por cento ao ano, e um empréstimo indireto de 241 milhões de reais, sendo 100 milhões de reais ao custo de IPCA mais 12,1-12,6 por cento ao ano.

Outros 141 milhões de reais terão custo de TJLP mais 4,5-5,0 por cento ao ano. Durante a fase de construção os juros serão capitalizados, informou a MPX.

Ainda em complementação aos empréstimos do BNDES, a MPX aguarda a aprovação de empréstimo de 203 milhões de reais do Banco do Nordeste do Brasil.

Com os financiamentos, a estrutura de capital/dívida do projeto será de 25/75 por cento, informou a MPX.

A empresa se comprometeu a "ir além das exigências legais (ambientais), implementando um amplo plano de redução de emissões". A companhia disse também que vai destinar uma "parcela significativa" de seu investimento em pesquisa e desenvolvimento para tecnologias de seqüestro de carbono, mas não informou o montante.

A previsão da entrada em operação da térmica é janeiro de 2012 e a concessão irá durar 15 anos. Já foram vendidos 315 megawatts da usina em leilão de projetos novos de energia para entrega nessa data em leilão realizado em 2007 (A-5), que vão gerar receita fixa de 252 milhões de reais por ano.

A empresa poderá no entanto fazer o repasse integral dos custos de combustível ao preço da energia.

(Por Denise Luna)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.