Tamanho do texto

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou ontem à Justiça Federal em Belém 31 suspeitos de envolvimento num esquema de fraude previdenciária. Preso em fevereiro na Operação Flagelo, da Polícia Federal, o grupo é acusado de falsificar pelo menos 2 mil aposentadorias.

Atualmente, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) efetua auditoria para descobrir o valor exato do rombo nos cofres públicos.

Entre os denunciados estão servidores do INSS, médicos peritos e corretores financeiros. Eles são acusados de formação de quadrilha, corrupção passiva, falsidade ideológica, falsificação e uso de documentos falsos. As penas podem atingir 30 anos de prisão. As apurações do MPF revelam que intermediários recrutavam pessoas e forneciam documentos falsos para elas obterem os benefícios, concedidos por servidores que participavam do esquema. Os médicos respondiam pela emissão de laudos apontando doenças.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.