Tamanho do texto

Desde que Suíça e França apontaram a multinacional Alstom como suspeita de pagar propinas a políticos para obter contratos no Brasil, no início de maio, o Ministério Público do Estado de São Paulo já abriu 29 procedimentos para investigar supostas irregularidades em negócios entre a empresa e o governo de São Paulo. As ações estão na Promotoria de Justiça e Cidadania.

Doze envolvem contratos com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Mas há também apuração de supostas irregularidades com Metrô, Companhia Energética de São Paulo (Cesp), Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e Eletropaulo. Os contratos começaram a ser assinados em 1996.

O Metrô e a CPTM, por meio de suas assessorias de imprensa, informaram já ter respondido, em prazo hábil e com os esclarecimentos necessários, a todos os pedidos feitos pelo Ministério Público Estadual. A Alstom não se manifestou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.