Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Motorola anuncia parceria com a Kodak e quer até 40% do mercado de celulares top de linha com câmera

SÃO PAULO - A fabricante de celulares Motorola anunciou hoje no país a parceria formada com a gigante de imagem e impressão Kodak. As duas trarão ao mercado brasileiro um telefone móvel que integra uma câmera da Kodak, além de serviços de compartilhamento e edição de imagens fornecido também pela norte-americana. Com ele, esperam dominar até 40% dos segmento de celulares sofisticados com câmeras fotográficas.

Valor Online |

O lançamento foi apenas um entre dez novos aparelhos que a Motorola deve trazer ao país no terceiro trimestre deste ano. Segundo a companhia, a intenção com os novos telefones é oferecer para todos os segmentos do mercado opções completas que integram outras funcionalidades além de chamadas de voz.

Temos números que mostram que em média o público jovem troca de celulares a cada 12 meses, sendo que 80% deles querem celulares com funções de música, disse o diretor de Produtos da Motorola, Edson Bortoli. Segundo ele, a procura por aparelhos com tocadores de MP3 aumentou mais de 400% no mercado entre 2006 e 2007, tendência essa que se mantém até hoje.

Segundo o vice-presidente de Produtos Móveis da Motorola no país, Sergio Buniac, todos os dez novos aparelhos que serão lançados pela companhia serão produzidos localmente, na fábrica da empresa em Jaguariúna. Isso vale também para o ZN5 (feito em parceria com a Kodak), com o qual queremos obter entre 30% e 40% do mercado nesse segmento no curto prazo, afirmou o executivo.

Acompanhando a estratégia vigente da companhia, os novos aparelhos não serão lançados com exclusividade por nenhuma operadora. Assim, uma vez introduzidos no mercado, estarão disponíveis para uso em todas as empresas de telefonia móvel.

Dentre os aparelhos lançados, dois deles utilizam tecnologia de terceira geração (3G), que permite - entre outras possibilidades - a captação de sinal de TV digital. Segundo Bortoli, a empresa já estuda como será integrado esse serviço aos aparelhos que devem ser lançados nos próximos meses. Ele ainda informou que, além dos dois anunciados hoje, a empresa ainda planeja apresentar outros dois aparelhos 3G no Brasil até o fim do ano, um deles um smartphone.

Sobre a possível concorrência com o celular-fetiche iPhone, da norte-americana Apple, que deve ser lançado no Brasil neste segundo semestre, Buniac afirma que não há preocupação. Ele lembrou que o primeiro aparelho com tela sensível a toque - uma das principais características do iPhone - foi um modelo da Motorola, apresentado em 2002. Além disso, acredita que esse tipo de funcionalidade logo deixará de ser um diferencial exclusivo. A indústria tem andado muito rapidamente neste campo (das telas sensíveis a toque). Nos próximos 12 meses, todos os fabricantes terão aparelhos similares ao iPhone nesse sentido, não apenas a Motorola, afirma Buniac.

Afirmando estarem contidos por regras corporativas, os executivos se esquivaram de responder qual será o montante investido na fabricação e lançamento dos novos aparelhos no Brasil. Também deixaram de responder qual é sua expectativa de vendas para esses telefones e o que isso representaria como um todo em sua operação no país.

Com esse anúncio, que se segue ao lançamento na semana passada nos EUA e mercados mais maduros, a Motorola tenta se recuperar no mercado de celulares. A empresa enfrenta dificuldades e vem perdendo participação de mercado sistematicamente já há algum tempo. Segundo números da consultoria Gartner, entre os primeiros trimestres de 2007 e deste ano, a companhia caiu da segunda para a terceira colocação no ranking mundial de vendas de celulares, sendo superada pela sul-coreana Samsung. Tendo comercializado 29,88 milhões de aparelhos, a companhia amargou uma redução de 29,9% em suas vendas, o que levou sua fatia de mercado cair de 18,4% para 10,2%, enquanto a Samsung viu a sua aumentar de 12,4% para 14,4% no período. Como um todo, as vendas de celulares cresceram 14% no primeiro trimestre do ano, segundo o Gartner.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG