Tamanho do texto

Em visita ao Equador, o chanceler russo, Sergei Lavrov, expressou ontem o interesse de seu país em iniciar negociações com Quito para expandir a cooperação bilateral em diversas áreas, entre elas o desenvolvimento de energia nuclear. Queremos trabalhar com os equatorianos em muitos temas: petróleo, gás e até mesmo em energia atômica, afirmou Lavrov.

Um dia antes, o presidente russo, Dmitri Medvedev, em visita à Venezuela, assinou um acordo com o presidente Hugo Chávez que prevê a "promoção de energia nuclear com fins pacíficos". "Estamos prontos para formar estudantes (latino-americanos) em física atômica e engenharia nuclear", disse ontem o chefe da Agência Federal Russa de Energia Atômica, Sergei Kiriyenko. "A nossa ajuda incluirá a cooperação nas áreas de pesquisa e desenvolvimento e na procura de urânio na Venezuela", completou.

A visita de autoridades russas à América Latina faz parte de uma estratégia de Moscou para responder, com demonstrações de força na região, às interferências dos EUA no conflito com a Geórgia e aos planos americanos de instalar um escudo antimísseis na Polônia e na República Checa.

Na quarta-feira, uma esquadra naval russa com quatro embarcações chegou à costa da Venezuela para realizar, a partir de segunda-feira, uma série de manobras conjuntas com a Marinha venezuelana. No segundo dia de visita a Caracas, Medvedev realizou com Chávez uma vistoria ao destróier russo Almirante Chabanenko, com 296 tripulantes, e ao cruzeiro de propulsão nuclear Pedro, o Grande, estacionados no porto de La Guaira, a 30 quilômetros da capital.

No destróier, Chávez agradeceu aos russos por ajudar a contribuir para a construção de "um mundo multipolar" e anunciou a compra de dois jatos Ilyushin II-96 300, modelo usado em algumas viagens do presidente russo.

Medvedev prometeu considerar a proposta de Chávez para incluir a Rússia na Aliança Bolivariana para as Américas (Alba) e falou na criação de um banco binacional russo-venezuelano para ajudar os dois países a enfrentar a crise financeira internacional.