Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Moscou exige receber protocolo assinado por Kiev para retomar envio de gás

Moscou, 11 jan (EFE).- A Rússia afirmou hoje que só voltará a fornecer gás para a Europa por território ucraniano quando for convencida de que a Ucrânia assinou o protocolo para a supervisão internacional do trânsito do produto por monitores internacionais.

EFE |

"Só retomaremos o trânsito sob duas condições", declarou o presidente russo, Dmitri Medvedev, que reiterou que a Rússia tenha interrompido o fornecimento porque as autoridades ucranianas desviavam o combustível destinado aos consumidores europeus.

A primeira condição "é a existência de um documento assinado por todas as partes e cujo texto corresponda com o que foi preparado, pactuado e assinado pela parte russa", declarou Medvedev em alusão a possíveis modificações do conteúdo por Kiev.

Durante uma reunião televisionada com o vice-primeiro-ministro Igor Sechin, Medvedev acrescentou que a segunda condição "é a presença de observadores em todos os locais nos quais será realizado o controle: nas fronteiras da Ucrânia e em seus depósitos subterrâneos de gás".

A declaração do chefe do Kremlin acontece várias horas após a primeira-ministra ucraniana, Yulia Timoshenko, anunciar em Kiev a assinatura do documento, já assinado pela Rússia e pela União Européia (UE), em um comparecimento conjunto ante a imprensa com o primeiro-ministro tcheco, Mirek Topolanek.

"O gás começará a chegar logo que todos os observadores se encontrarem nas instalações. Acho que isto acontecerá em cerca de 36 horas", disse Topolanek, cujo país preside este semestre a UE.

Após a assinatura do protocolo deve começar o posicionamento de observadores nas estações de bombeamento russas, ucranianas e dos países fronteiriços da Europa do Leste que deverão controlar a entrada do gás russo na Ucrânia e sua saída em direção à Europa.

No entanto, o consórcio russo Gazprom afirma que ainda não recebeu o documento assinado pela parte ucraniana e Sechin confirmou que às 11h (horário de Brasília) o Governo russo ainda não tinha recebido o texto assinado em Kiev.

Medvedev foi além e advertiu que, caso os grupos de monitores detectem novos desvios de gás na Ucrânia, a Rússia voltará a reduzir ou inclusive cortar totalmente o fornecimento de combustível para a Europa pelo território ucraniano. EFE si/fal

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG