Villa Montes (Bolívia), 5 ago (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que decidiu suspender o ato previsto para hoje com seus colegas da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, e Venezuela, Hugo Chávez, para não cair nas provocações dos opositores da cidade de Tarija.

Ele afirmou ainda que seguirá o conselho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de permanecer junto ao seu povo, mas também ter "paciência e paciência" nos momentos de conflito.

Em discurso realizado na localidade de Villa Montes, no sudeste do país, o presidente boliviano lamentou o cancelamento do ato programado em Tarija e disse que os grupos opositores do país "se reduzem cada vez mais, mas são mais radicais".

Habitantes de Tarija entraram em choque hoje com a Polícia no aeroporto dessa cidade para protestar contra a chegada de Morales, horas antes de seu encontro com Cristina e Chávez.

Morales assistiu hoje a um ato no qual a estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) assinou um contrato com a empresa Tecna y Asociados para que realize os estudos de engenharia de uma usina petrolífera no sul do país.

A usina servirá para separar os componentes líquidos do gás natural exportado para o Brasil e para a Argentina e terá capacidade para processar diariamente 1,2 bilhão de pés cúbicos de gás, para produzir diariamente 2 mil toneladas de etano, 1.800 toneladas de Gás Liquefeito do Petróleo (GLP) e 600 barris de gasolina.

Segundo Morales, a presidente da Argentina "regarantiria" hoje à Bolívia um empréstimo de US$ 450 milhões destinado à construção dessa usina.

Já Chávez, disse Morales, anunciaria um projeto para a instalação de uma usina petroquímica, embora não tenha dado detalhes do mesmo, e outro relacionado a imóveis conhecido como "petrocasas" que será financiado com recursos petrolíferos.

Morales assinalou que depois do próximo domingo, quando espera ser ratificado no referendo que será realizado no país, voltará a convidar Cristina para visitar o país e não descartou escolher Villa Montes como sede da reunião. EFE ja/bm/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.