Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Monsanto paga US$ 290 milhões por duas empresas do Grupo Votorantim

SÃO PAULO - A Monsanto anunciou ontem sua estréia no mercado de cana-de-açúcar, em mais uma sinalização do apetite do setor de defensivos e sementes pelo segmento de biocombustíveis. A multinacional americana adquiriu as empresas CanaVialis e Alellyx, integrantes da Votorantin Novos Negócios, voltadas para o melhoramento genético e biotecnologia com a cana.

Valor Online |

O negócio foi fechado por US$ 290 milhões (R$ 616 milhões). Na semana passada, a Syngenta já havia anunciado a entrada na produção de mudas de cana no Brasil.

Com a aquisição, a Monsanto amplia o seu portfólio hoje restrito à soja, milho e algodão melhorados geneticamente, em processos convencionais e de transgenia (modificação genética das plantas). " Estamos entrando em uma cultura e um mercado importantíssimos e nada melhor do que [comprar] a líder mundial em pesquisa privada com cana " , afirmou André Dias, há dois meses presidente da Monsanto Brasil. De acordo com o executivo, a CanaVialis e a Alellyx serão gerenciadas de forma independente e manterão a mesma direção e funções.

A aquisição, disse Dias, é um investimento de longo prazo em pesquisa e em melhoramento genético para acelerar a entrega ao mercado de variedades de cana com produtividade mais alta. Por isso, o braço brasileiro ainda evita falar em números. " Não prevemos um aumento no faturamento [de R$ 2,7 bilhões em 2007 no Brasil] até a metade da próxima década " , disse ele. Conforme o executivo, a Monsanto poderá aproveitar sua presença global para levar os benefícios desenvolvidos no Brasil para clientes de outros países.

Para o presidente da CanaVialis e da Alellyx, Ricardo Madureira, " estar dentro da Monsanto abre um leque de oportunidades enorme " . " Só vai acelerar o que já vínhamos fazendo " , disse ele. A próxima entrega deverá ocorrer em 2009, com a apresentação de uma cana de ciclo precoce, obtida através do melhoramento convencional. " É colhida no início da safra e com mais sacarose " , disse Madureira.

A Monsanto e a CanaVialis já trabalhavam juntas há pouco mais de um ano, quando desenvolveram uma parceria tecnológica de tolerância a herbicidas (Roundup Ready) e resistência a insetos (Bt).

A CanaVialis é a maior empresa privada de melhoramento de cana do mundo, criada em 2003 pela parceria da Votorantim Novos Negócios e um grupo de cientistas com mais de 30 anos de experiência no desenvolvimento de variedades de cana. Atualmente, tem contratos fechados com 73 empresas do setor sucroalcooleiro, somando 1,1 milhão de hectares e 15% do mercado. A Alellyx é uma empresa de genômica aplicada dedicada às pesquisas de biotecnologia. Entre seus projetos está o seqüenciamento do genoma da Xyllela fastidiosa, bactéria responsável pela praga na citricultura conhecida como amarelinho - assunto marginal no anúncio de ontem.

" A gente sempre soube que, em algum momento, a CanaVialis e a Alellyx teriam que se associar a alguma empresa poderosa de biotecnologia " , disse Fernando Reinach, diretor-executivo da Votorantim Novos Negócios. Dizendo-se " triste com o filho que vai embora " , Reinach lembrou que esse, afinal, é o negócio de um fundo de capital de risco: comprar barato (ou começar do zero) e vender bem.

" Todas as grandes estavam atrás, mas a Monsanto foi quem pagou mais " , disse Reinach. As negociações, assessoradas pelo escritório Demarest e Almeida Advogados, de São Paulo, começaram às 09:00 da manhã de quarta-feira e só terminaram às 15:00 do dia seguinte.

Reinach afastou ainda a inevitável associação de que as empresas teriam sido vendidas para " compensar " as perdas recentes do Grupo Votorantim com derivativos, de R$ 2,2 bilhões. " A venda é um processo de oito meses. Não tem nada a ver, a data é pura coincidência " .

A aquisição da CanaVialis e da Alellyx é o terceiro grande investimento da Monsanto no Brasil no último ano. No segundo semestre do ano passado, a múlti adquiriu a Agroeste e anunciou investimento de US$ 60 milhões na expansão de pesquisa e produção de sementes.

(Bettina Barros | Valor Econômico)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG