Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Monarquias do Golfo fazem balanço sobre queda do petróleo e crise financeira

Abaladas pelo desabamento dos preços do petróleo no mercado internacional, as monarquias do Golfo faziam nesta terça-feira em Mascate um balanço de suas economias que, segundo especialistas, ainda resistem aos efeitos da crise financeira mundial.

AFP |

Os ministros das Finanças e das Relações Exteriores do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) mantiveram uma reunião comum para examinar as recomendações sobre o processo de integração econômica de seus países, que inclui o lançamento de uma moeda única em 2010. Estas recomendações devem ser submetidas à cúpula do CCG, prevista para o fim de dezembro em Mascate.

As discussões devem varar a madrugada.

"Estudamos os obstáculos à aplicação" dos projetos de integração econômica, entre os quais a união monetária, declarou à imprensa o ministro da Economia do Sultanato de Omã, Ben Abdel Nabi Mekki, depois de uma reunião dos ministros das Finanças e da Economia do CCG no início desta tarde.

Sobre o impacto da crise financeira mundial, ele afirmou que as monarquias do CCG "já superaram esta crise" e que seus governos continuam apoiando suas instituições financeiras com injeção de liquidez.

"Ninguém pode dizer quanto tempo esta crise vai durar, mas eu aposto que ela continuará por mais dois ou três anos", antecipou o ministro omanês.

Mekki ainda considerou que os preços do petróleo, que perderam mais de dois terços de seu valor de julho, se estabilizarão em 2009.

Os países do CCG (Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã e Qatar), que possuem cerca de 45% das reservas mundiais de bruto, "têm a capacidade de resistir à queda dos preços do petróleo, mesmo a 30 dólares o barril", garantiu, por sua vez, o analista saudita Ihsan Bu Haliga.

tm/yw/sd

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG