Tamanho do texto

"O mercado está no modo medo", disse Justin Smirk, economista-chefe do George Bank na Nova Zelândia

O euro atingiu ontem a mínima em quatro anos, já que o desapontamento sobre a crise de dívida da Europa levou os investidores a tirar dinheiro de ativos mais arriscados e colocá-lo em mercados mais seguros, como os de ouro e bônus asiáticos.

A moeda única europeia chegou a cair a US$ 1,2234, o menor nível desde abril de 2006.

O euro já recuou mais de 7% em relação ao dólar este mês, acumulando no ano recuo de cerca de 14%, marcando a pior performance entre as principais moedas do mundo.

Ontem, ao longo da sessão, a moeda até se reuperou um pouco e conseguiu um pequeno ganho em relação ao dólar no fim da tarde em Nova York, mas preocupações de que a crise das dívidas da zona do euro possa piorar mantiveram a moeda comum europeia sob pressão.

O euro não está fora de perigo e sua trajetória de queda não deve ser invertida, dizem os analistas."Devido a todas as dúvidas fundamentais em relação à Grécia e outros países periféricos, não é surpreendente que o euro continue a ser puxado para baixo", disse Win Thin, estrategista sênior de câmbio da Brown Brothers Harriman, em Nova York.

No final da tarde de ontem, o euro era cotado em US$ 1,2392, ante US$ 1,237, cotação do no final da tarde de sexta-feira passada. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.