Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Modelo move ação contra a Anheuser

A cervejaria mexicana Grupo Modelo entrou com uma notificação de arbitragem contra a Anheuser-Busch relacionada ao acordo de US$ 52 bilhões segundo o qual a empresa americana será vendida para a belgo-brasileira InBev. A Anheuser-Busch informou no início deste mês que havia recebido uma carta do advogado do Grupo Modelo dizendo que a companhia planejava fazer a notificação.

Agência Estado |

A Anheuser tem uma participação não controladora de 50% no Grupo Modelo, que fabrica a Corona, cerveja mais importada nos Estados Unidos.

Ainda não está claro o que vai acontecer com a participação da Anheuser no grupo mexicano após a transação com a InBev. O Grupo Modelo afirmou que o acordo entre a InBev e a Anheuser-Busch vai violar cláusulas do acordo de investimento entre a Anheuser e o grupo.

O acordo de investimento, que é regido pela lei mexicana, proíbe a Anheuser de tomar atitudes que resultem em uma transferência de participações no grupo para uma cervejaria concorrente. Além disso, o acordo proíbe a americana de usar livremente ou transferir qualquer ação do Grupo Modelo sem dar aos acionistas da companhia mexicana uma chance de comprar a empresa antes.

A Anheuser tem dito que as queixas do Grupo Modelo são infundadas e que irá contestá-las. Já a InBev afirmou que permanece segura de que as queixas do Grupo Modelo são inteiramente infundadas.

Em comunicado, a InBev disse que, assim como a Anheuser, continua esperando que a arbitragem não tenha impacto na conclusão da transação entre as duas companhias, segundo a qual a Anheuser será comprada pela InBev. O acordo deverá ser fechado no fim deste ano, apesar de ainda estar sujeito a aprovação de órgãos reguladores e acionistas e a outras questões habituais.

A InBev anunciou esta semana que adiou seu plano de emissão de US$ 9,8 bilhões em ações para completar os recursos necessários para a compra da Anheuser-Busch. A companhia informou que "a volatilidade sem precedentes" nos mercados de capitais obrigou a companhia a adiar seu plano.

Em vez de levantar capital, a companhia pretende se apoiar num empréstimo-ponte, também no valor de US$ 9,8 bilhões, que vence em seis meses após a conclusão da aquisição, disse a InBev. A cervejaria ainda tem o apoio de um consórcio de 19 bancos que concordaram em emprestar-lhe US$ 45 bilhões para a compra. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG