Tamanho do texto

Túnis, 11 nov (EFE).- Os ministros de Finanças dos países africanos e os governadores dos bancos centrais do continente iniciam amanhã uma reunião em Túnis para definir a posição comum da África sobre a crise financeira perante a cúpula do G20.

A União Africana (UA) e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) convocaram este encontro na capital tunisiana e expuseram sua insatisfação devido à pouca presença dos africanos na reunião em Washington convocada pelo presidente dos Estados Unidos, George W.

Bush.

A África do Sul é o único país do continente convidado a essa reunião, e os africanos, segundo disse hoje um porta-voz da UA, afirmam que "se sentem discriminados".

Os responsáveis das economias africanas destinarão um dia para debater as conseqüências da crise no continente e preparar projetos que, segundo eles, devem ser enfocados dentro de uma transformação completa do sistema financeiro internacional.

Essa preocupação coincide com a reunião do G20, formado por países desenvolvidos e emergentes, e se amplia, neste caso, a nações como Espanha e República Tcheca.

O presidente do BAD, Donald Kaberuka, disse hoje à imprensa que as pressões orçamentárias nos países desenvolvidos, devido aos planos de salvamento que estão sendo realizados, podem significar uma redução em massa do volume da ajuda pública ao desenvolvimento.

"Se a atividade econômica dos países ricos se desacelerar ainda mais do que o previsto, isso significa desemprego e endurecimento da política migratória e, como conseqüência, a redução drástica das transferências de fundos dos trabalhadores emigrados", estimou Kaberuka. EFE mo/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.