Quito, 15 set (EFE).- O ministro de Eletricidade e Energias Renováveis equatoriano, Alecksey Mosquera, disse hoje que a empresa brasileira Odebrecht, ameaçada de expulsão do país por supostos erros estruturais em uma usina hidroelétrica, reagiu corretamente à situação.

"Acho que a Odebrecht reagiu corretamente. Estão negociando, estão encontrando pontos em comum", disse Mosquera à emissora "Teleamazonas", ao se referir ao diálogo da construtora brasileira com o Governo equatoriano.

Mosquera reiterou que 4 de outubro é a data limite para que a Odebrecht resolva os problemas na hidroelétrica de San Francisco, na Amazônia equatoriana, e que está paralisada desde 6 de junho.

Cerca de 70 militares vigiam as instalações da usina desde 10 de setembro.

A militarização ocorreu um dia depois de o presidente do Fundo de Solidariedade equatoriano, Jorge Glass, ter ameaçado responsabilizar a Odebrecht por erros estruturais na hidroelétrica após o cumprimento do "ultimato" do Governo para assumir a responsabilidade pelos danos e pela paralisação da infra-estrutura.

O Governo do Equador exige que a empresa brasileira repare os danos estruturais detectados por técnicos em um duto, de 12 quilômetros de extensão, que alimenta a hidroelétrica San Francisco.

O presidente do Fundo de Solidariedade, entidade que financia programas de desenvolvimento humano e projetos elétricos rurais e urbanos, disse que outra das exigências a Odebrecht "pague US$ 200 mil por cada dia" em que a hidroelétrica esteve parada.

No mês passado, o presidente do Equador, Rafael Correa, também ameaçou expulsar a Odebrecht do país e contratar outras empresas para dar seguimento as obras.

A hidroelétrica de San Francisco, com potência instalada de 230 megawatts, começou a funcionar em junho de 2007.

O Estado equatoriano pediu US$ 43 milhões a Odebrecht como garantia.

A Odebrecht propôs a realização de um depósito em uma conta de uma entidade financeira estatal que poderá ser utilizado pelo Equador, sempre e quando uma auditoria da hidroelétrica de San Francisco determinar. EFE sm/wr/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.