Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ministro diz que Equador suportaria outro corte de produção da Opep

Quito, 21 jan (EFE).- O ministro de Minas e Petróleo do Equador, Derlis Palacios, declarou hoje que se a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) determinar outro corte de produção de petróleo seria suportável para o país caso isto ajudasse em uma recuperação dos preços do barril do produto.

EFE |

Em uma entrevista à "Radio Quito" Palacios afirmou que "os cortes seriam suportáveis caso haja recuperação de preços", mas declarou que "se estas medidas não derem resultado no preço é lógico que não são benéficas" para o Equador.

O ministro disse que existe a previsão de que "com a chegada do novo presidente dos Estados Unidos vai haver maior confiança nos mercados e se espera que não seja necessário chegar a um novo corte, pois em algum momento tem que se equilibrar a oferta e a demanda".

Diante da eventualidade de a Opep pedir ao Equador outra redução da produção de petróleo, Palacios afirmou que "a decisão de (adotar) um novo corte é uma decisão que deve ser tomada pelo presidente" Rafael Correa.

Apesar desta possibilidade o "Equador manteria sua presença na Opep", pois há vantagens como "a troca de tecnologia, acesso a crédito e melhoras nas relações com os países-membros", disse o ministro.

Por outro lado, o ministro falou da relação do Governo com as petrolíferas Agip e Perenco, às quais pediu um corte de produção para poder cumprir a redução de 67.000 barris de petróleo diários que a Opep pediu ao Equador.

A Agip extrai cerca de 24.000 barris por dia de petróleo equatoriano, enquanto a Perenco cerca de 7.000 barris por dia. Além disso, no dia 9 de janeiro o Ministério de Minas e Energia anunciou que analisa a possibilidade de encerrar, através de um acordo mútuo, os contratos com as duas empresas. EFE ic/fal

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG